image-2.png

Um sobrevoar do cinema

O sexto dia da 25ª edição do Festival Caminhos dos Cinema Português realizou-se a 27 de novembro. A sessão das 21h45 da Seleção Caminhos foi albergada pelo Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV). Esta contou com a presença de João Manso e Tiago Hespanha, respetivos realizadores das obras “História Secreta da Aviação” e “Campo”.

A curta-metragem “História Secreta da Aviação” surge como a adaptação ao grande ecrã de um texto de Manuel Zimbro. A reflexão sobre os picos e vales da vida estreou-se em Lisboa, em 2018, o mesmo ano em que foi filmada. O realizador, João Manso, admite que a obra surgiu da junção de duas ideias, as quais o conhecimento do texto e a questão dos incêndios, pois este possui família nas zonas que foram afetadas pelos incêndios do ano anterior à rodagem. O mesmo admite que a obra nasce de “um momento em que as duas vontades deviam ser trabalhadas juntas”.

Quotidianos militares, natureza, deuses e a condição humana. Estes são alguns dos pontos fulcrais de “Campo”, de Tiago Hespanha. A longa-metragem rodada no Campo de Tiro de Alcochete trata, por suposto, a vida dos que vivem na base militar e em seu redor. O “encontro acidental” do realizador com o lugar espoletou “um imaginário”, relacionado com o mundo em que se vive. Quando questionado sobre a origem do nome, Tiago Hespanha explicita que a sua ideia era manter o título simplista, assim como a ideia, embora afirme que “o filme propõe uma camada mais desligada do concreto”. A dualidade entre a vida militar e civil da base também se apresentou como um fator de bastante interesse, na opinião do cineasta.

Para João Manso, voltar ao Caminhos do Cinema Português é descrito como “um prazer”. ”É um festival que passa muito daquilo que se melhor faz do cinema em Portugal”, esclarece. O cineasta relembra que já teve uma outra curta-metragem em exibição da edição de 2011. Já Tiago Hespanha descreve a memória de como a sala do TAGV foi o primeiro local onde viu cinema, pelo que se sente emocionado por ter uma obra sua exibida na mesma.

O quarto de século do festival conseguiu criar, ao longo dos anos, fiéis seguidores que, mesmo com alguma dificuldade, comparecem nas sessões. Jorge Oliveira tem 73 anos e dirigiu-se ao TAGV com o propósito de ver “Campo” pela segunda vez. ”É um filme longo, com uma densidade enorme de planos e imagens”, descreve o espectador. O mesmo afirmou que já tinha frequentado edições anteriores do Caminhos do Cinema Português, pelas suas palavras, “há muitos anos”, mesmo a viver fora de Coimbra e com uma deslocação árdua para a cidade.

Ana Francisca Nunes