Tag coimbra

cfm-26-Asset-3@2x-1.png

Contingência e Produção

Um festival de Cinema opera na dupla condição de satisfazer a exigência dos espectadores e proporcionar janelas de exibição competitivas e dignificantes à filmografia seleccionada. Não podemos apresentar outros caminhos para a próxima edição do festival que não promovam o contacto estreito, mas seguro, do público com os criadores, nem tão pouco critérios de admissão que não compreendam as novas dinâmicas de distribuição do cinema e audiovisual. A pandemia veio impor as potencialidades digitais sob os nossos hábitos sociais, remediando-os, sem contudo conseguir substituir a aura das experiências in loco. 

saber mais

cfm-26-Asset-2@2x-e1598280786417.png

2.º Call for Movies

Os Caminhos do Cinema Português preparam a sua 26.ª edição, procurando reunir a melhor cinematografia contemporânea nacional. Num ano atípico, tentamos olhar tanto aos direitos dos espectadores como às oportunidades e contingências que assolam os produtores e criadores.

Olhando às premissas actuais em que vivemos a organização anuncia que na actual edição o ponto 4.3 do regulamento do festival será ignorado, sendo admitidos todos os filmes concluídos desde 31 de Julho de 2019, mesmo tendo sido exibidos em televisão ou publicados, por vontade do autor ou produtor, em sítios da internet, serviços de streaming (ex: Netflix, NOS Play, Videoclube Meo), ou editados em DVD ou BluRay. Olhando às novas condições de admissão o prazo de inscrição de filmes é prorrogado até 15 de Setembro de 2020.

Realçamos a promoção de um novo prémio na Selecção Ensaios para a melhor Animação Nacional reconhecendo a evolução que este género tem alcançado nos diversos centros de formação tanto universitários como em programas dinamizados por cineclubes, museus e outras entidades do setor junto da população juvenil.


+ info

saber mais

cfm-26-Asset-4@2x-e1598280958757.png

(new) Call for entries

Caminhos do Cinema Português is preparing its 26th edition, seeking to bring together the best contemporary national cinematography. In an atypical year, we try to look at both the rights of the spectators and the opportunities and contingencies that plague producers and creators.

Looking at the current premises in which we live due the Covid19 pandemic, the organization announces that in the current edition point 4.3 of the festival regulation will be ignored, being admitted all films completed since 31 July 2019, even if they were shown on television or published, by will of the author or producer, on websites, streaming services (eg: Netflix, NOS Play, Meo VideoClub), or edited on DVD or BluRay. In line with those the new conditions for admission, the call for entries deadline is extended to 15 September 2020.


+ info

saber mais

Call-for-movies-26-v2-01.png

Inscrições abertas ⭐︎ 26.ª edição

Encontram-se abertas as inscrições para a 26.ª Edição do Festival Caminhos do Cinema Português. Entre os dias 1 de Janeiro e 31 de Julho poderão ser submetidas via FilmFreeway as obras para a Selecção Caminhos, Selecção Ensaios e Outros Olhares. Até 31 de Maio todas as inscrições de filmes nacionais serão gratuitas.

Na sua 26.ª edição há uma aposta do festival em reconhecer a importância do cinema de animação como um traço importante da qualidade da cinematografia nacional. Essa aposta é projectada pela introdução do Prémio Melhor Ensaio de Animação. Confira todos os detalhes no regulamento do festival.

saber mais

Call-for-movies-26-v2-01.png

Call for Movies is open

Registrations are now open for the 26th Edition of the Caminhos do Cinema Português Festival. Between the 1st of January and the 31st of July, the works for the Caminhos Selection, Essays Selection and Other Looks may be submitted via FilmFreeway. Until May 31, all national film registrations will be free.

In its 26th edition, the festival is committed to recognizing the importance of animation cinema as an important feature of the quality of national cinematography. This bet is projected by the introduction of the Best Animation Essay Award. Check all the details in the festival regulations.

saber mais

image.png

Alva, de Ico Costa, estreia a 16 de Janeiro

“Um filme sem artifícios. Belo, fluido como as águas do rio. Misterioso.”
— (Júri Caminhos 2019: Carla Vasconcelos, Hugo Van Der Ding, João Telmo, Lucinda Loureiro, Paulo Carneiro)

Alva, a primeira longa-metragem de ficção de Ico Costa e vencedora de 3 prémios na XXV edição dos Caminhos do Cinema Português, estreia nos cinemas portugueses no dia 16 de janeiro 2020. O filme tem exibição em Coimbra nos Cinemas NOS do Alma Shopping.

saber mais

IMG_0966-scaled.jpg

Crónica de Encerramento

Após 177 filmes e mais de uma semana de festa, nada melhor do que fechar com chave d’ouro a XXV edição do Festival Caminhos do Cinema Português, contando assim com uma grandiosa e entusiasmante cerimónia de entrega de prémios que teve início pelas 21:45 na já conhecida casa do Teatro Académico Gil Vicente.

Com o acompanhamento musical da Big Band Rags, da Tuna Académica da Universidade de Coimbra, e a presença de diversas figuras que contribuíram, contribuem e continuarão a contribuir para o panorama cinematográfico nacional.

A noite iniciou-se com uma breve introdução sobre o decurso da cerimónia e logo discursaram figuras da direção e organização do festival como Tiago Santos e António Pita.

saber mais

IMG_0210-scaled.jpg

Crónica do Festival – Parte IX

Chegados à recta final deste quarto de século do Festival Caminhos do Cinema Português, celebra-se a variedade criativa das curtas da 7ª arte nacional.

Isto porque – exceptuando-se “Caminho de Casa” de Arlindo Orta, o cardápio deste último dia está repleto de curtas-metragens, entre as quais se assinala o regresso de Teresa Villaverde com “Où en êtes-vous, Teresa Villaverde?“, um documentário que pelo título poderia dar aparências de auto-biográfico.. mas, como a realizadora já nos habituou, trata-se somente de olhar pessoal não sobre a cineasta, mas sim sobre o Carnaval do Rio o desfile que a Escola da Mangueira fez em homenagem a Marielle Franco.

De facto, o formato curta denota-se como o mais popular de entre os autores cinematográficos de Portugal e os Caminhos deste ano não desmentem tal tendência. No entanto, aponta-se é um número menor de projectos de animação, embora o género se mantenha vivo com curtas como “Moulla” de Rui Cardoso, “O Peculiar Crime o Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano e “Les Extraordinaires Mésaventures de la Jeune Fille de Pierre” de Gabriel Abrantes. Esta última curta – que figurou na cerimónia de abertura – embora não seja totalmente de animação, envereda por uma mistura de animação computadorizada com imagem real, talvez um sinal de que os criadores de animação em Portugal estejam a preparar-se para abraçar as técnicas do CGI.

saber mais

IMG_0055-scaled.jpg

Crónica do Festival – Parte V

No que toca a escala, o imaginário dos cineastas sempre se viu limitado ao orçamento e não há campo que sofra tanto isso como o da ficção fantástica. Trata-se de projectos cuja propensão envolve à partida ambiciosos efeitos visuais, tal como manda e mandata a regra dos blockbusters americanos ou asiáticos desde a década de 50. Infelizmente, os limites do Instituto do Cinema e Audiovisual ou semelhantes instituições de apoio financeiro não permitem tal empreendimento visual a nível nacional. Ou sequer europeu.

Aliás, foi no velho continente que se originou um espécime cinematográfico que pega nas transcendências desse fantástico e molda as mesmas em torno da introspecção humana, de modo a fascinar em primeiro plano a alma e não tanto a visão, embora este último sentido não seja de todo ignorado. O cinema oriundo da então União Soviética foi notoriamente o primeiro a enveredar por tal abordagem mais filosófica. Com efeito, foram autores do outro lado da cortina de ferro como Karel Zeman ou Andrei Tarkovski que revolucionaram a estética estimulante da 7ª arte a cadências mais minimalistas.

Segue-se pois a década de 80, em que o cinema a nível global, temendo um futuro sem recursos monetários, começa-se afastar dos visuais futuristas e tecnológicos e a explorar precisamente os conceitos fatalistas da distopia pós-apocalíptica. Tais temáticas acordam com os temores que se vivenciavam do holocausto nuclear e do ser humano que, perante um mundo devasto, se vê reduzido à sua determinante convicção survivalista. Embora popularizado pela franquia “Mad Max” do australiano George Miller, muitos outros autores como Luc Besson (em “O Último Combate”) ou Andrzej Zulawski (com “On the Silver Globe”) deram seguimento a cenários distópicos mais pautados ou meditativos.

saber mais