Tag cinema

6-1-scaled.jpg

Crónica do Espectador Fantasma (2)

Vivemos tempos incertos.

Uma afirmação anteriormente classificada como dramática, mas que actualmente demonstra-se vulgar e quotidiana, não só no presente ano, mas certamente no futuro próximo. E apesar da ilação criativa da pandemia demonstrar-se promissora no que diz respeitos às lides de inspiração (sobretudo tendo em conta a tendência dos cineastas nacionais em captar imagens sob a lente da docuficção), as previsões da cultura nacional firmam-se actualmente num clima de incertezas que ameaça a exibição dos projectos cinematográficos em sala e o consequente financiamento de projectos posteriores. Acrescem a este cenário reptante diversos episódios controversos, como é o caso da aprovação da proposta de lei 44/XIV no final do mês passado, transpondo a Diretiva (UE) 2018/1808 para a legislação portuguesa de maneira impetuosa e quiçá míope. Em suma, o presente ano demonstra-se como um desafio. E se a natureza incógnita do futuro parece ser o seu único elemento actualmente previsível, 2020 veio incrementar a imprevisibilidade de todas as restantes arestas e agendas.

saber mais

xa.jpg

“Elo”, de Alexandra Ramires: “Há um lado de beleza naquilo que é assustador”

Foi a partir do Porto que Alexandra Ramires, mais conhecida por Xá, falou da sua mais recente criação, a curta-metragem “Elo” (2020). Este filme de animação estreou em Coimbra no dia 20 de novembro e integra as Secções Competitivas – Seleção Caminhos. 

O trabalho mais recente de Alexandra Ramires conta já com o carimbo do 56.º Festival Internacional de Cinema de Chicago, tendo ganhado o prémio principal da competição (o Hugo de Ouro). “Uma bela paleta invertida de preto-e-branco atrai-nos imediatamente e uma grande quantidade de silêncio mantém-nos lá”. São estas as palavras do júri sobre a curta-metragem de animação “Elo”.

saber mais

Photo-6-nf13.jpg

Destaques de quinta-feira, dia 26 de novembro

Esta quinta-feira, dia 26 de novembro, sugerimos-lhe que se deixe apaixonar pelo “coro de afetos” de “Amor Fati” (Cláudia Varejão) e que acompanhe o Nuno de “Discos Perdidos“, um açoriano a viver em Lisboa, na sua busca pela coleção de vinis da adolescência. Em estreia nacional no Festival Caminhos do Cinema Português, a película de Tiago P. de Carvalho cruza os acordes dos The Pale Saints, Pixies e The Cure com o tradicional folclore da cultura açoriana. O realizador marcará, inclusive, presença na sessão das 15h.

Já ao final da tarde, a nossa proposta passa por uma outra estreia nacional: “Aos Nossos Filhos” (Maria de Medeiros) – uma narrativa no feminino que explora a relação entre mãe e filha.

saber mais

23-NOV-2.jpg

Caminhos anunciam nova data para entrega de prémios e oportunidade de rever filmes

Estando Coimbra fora da lista de concelhos de risco “extremo” e de risco “muito elevado” devido ao número de casos de Covid-19, o Festival Caminhos do Cinema Português pôde fazer algumas alterações na sua programação. Na linha da frente destas mudanças estão o interesse, a acessibilidade e, sobretudo, a segurança de cineastas e espectadores.

O primeiro ajuste diz respeito à Cerimónia de Encerramento. O Caminhos continua a eleger o palco do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) e os acordes dos The Twist Connection para encerrar a sua XXVI Edição, mas a celebração faz-se numa nova data. A Cerimónia de Encerramento transita, por isso, de sexta-feira para as 18h de sábado, dia 28 de novembro. Num final de tarde que se anuncia chuvoso, o Festival vai celebrar o melhor da cinematografia nacional (e não só), entregando quase 30 prémios. Além do trio conimbricense, o Caminhos espera contar com a presença dos galardoados deste ano.

saber mais

Photo-7-Submissao_still15-e1606216785921.jpg

Destaques de quarta-feira, dia 25 de novembro

Esta quarta-feira, dia 25 de novembro, sugerimos-lhe que fique a conhecer a protagonista de “28½” (Adriano Mendes) que, perto dos 30, procura trabalho numa Lisboa inundada de turistas. Propomos-lhe também uma viagem à terra mais a Norte de Portugal tendo o filme “Fojos” (Anabela Moreira e João Canijo) por guia.

Já ao final da tarde, a nossa sugestão passa pela estreia nacional de “Submissão” (Leonardo António), que retrata a luta de uma mulher violada no próprio casamento.

saber mais

Headshot-77fc012cc5-headshot.jpg

“Submissão”, de Leonardo António: “O maior desafio foi criar ambiguidade”

No ano de estreia da sua mais recente longa-metragem, o realizador português Leonardo António protagonizou uma conversa que percorreu por palavras o caminho que o levou até ao cinema. “Submissão” (2020) foi selecionado pelos Stony Brook Film Festival (Estados Unidos da América) e PÖFF | Tallinn Black Nights Film Festival (Estónia) e estreia no dia 25 deste mês em Coimbra.

saber mais

PATRICK_02.jpg

Destaques de terça-feira, dia 24 de novembro

Esta terça-feira, dia 24 de novembro, sugerimos-lhe que fique a conhecer “Listen” (Ana Rocha), o candidato português aos Óscares. Propomos-lhe ainda uma viagem ao coração rural de “Entre Leiras” (Cláudia Ribeiro), filme rodado entre o Douro e o Tâmega.

Já ao final da tarde e na companhia de vários cineastas portugueses, a nossa sugestão passa pela primeira longa-metragem de Gonçalo Waddington – “Patrick” – filme que é antecedido por três curtas: “Suspensão“, “Úrsula” e “Moço“.

saber mais

Photo-1-1796001_10201716590142602_30065545_o.jpg

Destaques de segunda-feira, dia 23 de novembro

Esta segunda-feira, dia 23 de novembro, propomos-lhe que fique a conhecer melhor o trabalho de Rodrigo Areias, cineasta que assina as duas películas (“Vencidos da Vida” e “Surdina“) que inauguram a tela do Teatro Académico de Gil Vicente, pelas 10h30.

Sugerimos-lhe ainda que se deixe comover pelas histórias de perda, morte e luto que “Desterro” (Maria Clara Escobar) leva até ao grande ecrã. E, por fim, que se deixe enternecer pela conexão inesperada que, em “Estrada para o Céu” (Pedro Vaz Simões), começa a nascer entre mãe e filho.

saber mais

17-NOV-1.jpg

Mensagem oficial de abertura do Festival Caminhos

Demos início à XXVI Edição do Festival Caminhos do Cinema Português há uma semana: na passada sexta-feira, dia 13 de novembro. Apesar do mau fado que os mais supersticiosos poderiam ter atribuído à data, esta edição tem superado as nossas expectativas. Conseguimos reinventar-nos face a restrições horárias que nos impediram de promover sessões noturnas e ao fim-de-semana e, exibição após exibição, temos provado que, apesar de separados por medidas, continuamos unidos pela cultura.

saber mais