Tag caminhos

cfm-26-Asset-2@2x-e1598280786417.png

2.º Call for Movies

Os Caminhos do Cinema Português preparam a sua 26.ª edição, procurando reunir a melhor cinematografia contemporânea nacional. Num ano atípico, tentamos olhar tanto aos direitos dos espectadores como às oportunidades e contingências que assolam os produtores e criadores.

Olhando às premissas actuais em que vivemos a organização anuncia que na actual edição o ponto 4.3 do regulamento do festival será ignorado, sendo admitidos todos os filmes concluídos desde 31 de Julho de 2019, mesmo tendo sido exibidos em televisão ou publicados, por vontade do autor ou produtor, em sítios da internet, serviços de streaming (ex: Netflix, NOS Play, Videoclube Meo), ou editados em DVD ou BluRay. Olhando às novas condições de admissão o prazo de inscrição de filmes é prorrogado até 15 de Setembro de 2020.

Realçamos a promoção de um novo prémio na Selecção Ensaios para a melhor Animação Nacional reconhecendo a evolução que este género tem alcançado nos diversos centros de formação tanto universitários como em programas dinamizados por cineclubes, museus e outras entidades do setor junto da população juvenil.


+ info

saber mais

cfm-26-Asset-4@2x-e1598280958757.png

(new) Call for entries

Caminhos do Cinema Português is preparing its 26th edition, seeking to bring together the best contemporary national cinematography. In an atypical year, we try to look at both the rights of the spectators and the opportunities and contingencies that plague producers and creators.

Looking at the current premises in which we live due the Covid19 pandemic, the organization announces that in the current edition point 4.3 of the festival regulation will be ignored, being admitted all films completed since 31 July 2019, even if they were shown on television or published, by will of the author or producer, on websites, streaming services (eg: Netflix, NOS Play, Meo VideoClub), or edited on DVD or BluRay. In line with those the new conditions for admission, the call for entries deadline is extended to 15 September 2020.


+ info

saber mais

IMG_0210-scaled.jpg

Crónica do Festival – Parte IX

Chegados à recta final deste quarto de século do Festival Caminhos do Cinema Português, celebra-se a variedade criativa das curtas da 7ª arte nacional.

Isto porque – exceptuando-se “Caminho de Casa” de Arlindo Orta, o cardápio deste último dia está repleto de curtas-metragens, entre as quais se assinala o regresso de Teresa Villaverde com “Où en êtes-vous, Teresa Villaverde?“, um documentário que pelo título poderia dar aparências de auto-biográfico.. mas, como a realizadora já nos habituou, trata-se somente de olhar pessoal não sobre a cineasta, mas sim sobre o Carnaval do Rio o desfile que a Escola da Mangueira fez em homenagem a Marielle Franco.

De facto, o formato curta denota-se como o mais popular de entre os autores cinematográficos de Portugal e os Caminhos deste ano não desmentem tal tendência. No entanto, aponta-se é um número menor de projectos de animação, embora o género se mantenha vivo com curtas como “Moulla” de Rui Cardoso, “O Peculiar Crime o Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano e “Les Extraordinaires Mésaventures de la Jeune Fille de Pierre” de Gabriel Abrantes. Esta última curta – que figurou na cerimónia de abertura – embora não seja totalmente de animação, envereda por uma mistura de animação computadorizada com imagem real, talvez um sinal de que os criadores de animação em Portugal estejam a preparar-se para abraçar as técnicas do CGI.

saber mais

Foto-1-scaled.jpg

Formandos do INOVINTER nos Caminhos

No âmbito da unidade formação “Campanha Publicitária” do Curso Técnico de Comunicação – Marketing, Relações Públicas e Publicidade, os formandos do INOVINTER Delegação de Coimbra efetuaram uma visita de estudo ao festival Caminhos do Cinema Português.

A visita teve por objetivo conhecer in loco as estratégias utilizadas pelo festival na comunicação do evento, nomeadamente a forma como se estrutura a comunicação de marca e de marketing. Tendo sido acompanhados pelo diretor do evento, Vitor Ferreira, e Ricardo Terrinha representante da coordenação de comunicação do festival.  Os formandos tiveram a  oportunidade de conhecer os suportes e razões da campanha publicitária realizada em torno da XXV edição do Caminhos do Cinema Português.

saber mais

MG_0444-scaled.jpg

Variações: o homem que se despia na música

António Ribeiro quando criança ambicionava ser cantor. Inspirado pelo tom da fadista Amália Rodrigues começou a compor músicas, enquanto cortava cabelos. O artista foi o mote para a pesquisa de mais de uma década de João Maia, que recriou as variações de António Ribeiro. Um homem originário do Minho que rumou à capital, deixando para trás o seu anjo da guarda, a mãe.

O realizador confessou ter, na sua mente, uma imagem concreta do possível intérprete. Queria que alguém que tivesse uma boa voz, que soubesse dançar, mas que não imitasse. Sérgio Praia encaixava na perfeição. Tanto o ator como o próprio António passaram por progressivas evoluções de voz. Serem parecidos foi um trunfo para o sucesso e empatia imediata do público com o protagonista.  

saber mais

IMG_0156-scaled.jpg

Tiago Afonso e a arte de realizar sem imaginação

Tiago Afonso deu início à Mastersession de quarta na Sala do Carvão, na Casa das Caldeiras  com o tema “O Meu Cinema”. O atual docente da Universidade Lusófona do Porto realiza sobretudo filmes de teor documental, como filmes de intervenção e reflexão política, mas também obras de cariz autobiográfico e experimental. O realizador, não só exibiu alguns trechos dos seus filmes, como também refletiu sobre os mesmos. Falou sobre as suas próprias obras e criou uma ponte entre o seu processo de criação e, aquilo que é feito no cinema português.

Citando “As Portas da Perceção” de Aldous Huxley, o cineasta falou sobre a abertura da perceção humana e sobre a sua considerada “deficiência”. Tiago Afonso, ao contrário do resto das pessoas, quando pensa em alguma coisa não consegue associar uma imagem no seu cérebro ou seja, não é capaz de visualizar mentalmente. Este antagonismo entre imaginação e criação levou com que, segundo o realizador, o seu processo de fazer cinema seja distinto de todos os outros: “tudo o que preparo é para destruir”.

saber mais

P1100112-scaled.jpg

Diversidade marca o segundo dia de Festival

“Tristeza e alegria na vida das girafas”, longa ficção de Tiago Guedes, foi a aposta do Festival Caminhos do Cinema Português para a sessão das 21h45 do dia 23 de novembro, no TAGV. O filme integra a secção competitiva Caminhos.

As gargalhadas que compuseram a sessão das 21:45 refletiram o espírito do filme: a aventura de uma jovem e do seu urso de peluche suicida, Judy Garland, em busca do perdido Discovery Channel. O filme centra-se na capital, um lugar único e mágico, contudo tem-se presente a crise.

O fim da sessão terminou num grande aplauso por parte público, que se demonstrou recetivo ao longo do filme.  “O tratamento lúcido que foi dado à personagem, que vivencia várias emoções na vida, é algo fantástico. A imaginação, os questionamentos e, ao mesmo tempo, a confiança que se estabelece com o mundo e com as pessoas…” afirma uma das espetadoras.

saber mais

P1100112-scaled.jpg

A diversidade marcou o segundo dia do Festival Caminhos

“Tristeza e alegria na vida das girafas”, longa ficção de Tiago Guedes, foi a aposta do Festival Caminhos do Cinema Português para a sessão das 21h45 do dia 23 de novembro, no TAGV. O filme integra a secção competitiva Caminhos.

As gargalhadas que compuseram a sessão das 21:45 refletiram o espírito do filme: a aventura de uma jovem e do seu urso de peluche suicida, Judy Garland, em busca do perdido Discovery Channel. O filme centra-se na capital, um lugar único e mágico, contudo tem-se presente a crise.

O fim da sessão terminou num grande aplauso por parte público, que se demonstrou recetivo ao longo do filme.  “O tratamento lúcido que foi dado à personagem, que vivencia várias emoções na vida, é algo fantástico. A imaginação, os questionamentos e, ao mesmo tempo, a confiança que se estabelece com o mundo e com as pessoas…” afirma uma das espetadoras.

saber mais