Crónicas

DSC_1842.jpg

Da intensidade à leveza: Três olhares sobre o abandono

Numa plateia maioritariamente marcada pelo público jovem, aguardava-se por “Leviano“, no entanto “Aquaparque” e “3 Anos Depois” superam as expectativas do público presente.

A noite de dia 28 começou com a curta-metragem “Aquaparque”, a estreia de Ana Moreira enquanto realizadora. Com um velho parque aquático como pano de fundo, ficámos a conhecer dois jovens que ali se refugiam do mundo real. Por entre olhares e silêncios revelam os seus mais íntimos sentimentos, em breves minutos que se desfecham de uma forma trágica.

saber mais

IMG_2418-2.jpg

Mortes memorizadas nos Caminhos do Cinema Português

Ensaio sobre a morte”, “Equinócio”, “Os Mortos” e “Bostofrio, oú le ciel rejoint la terre” foram os filmes que marcaram lugar na tela do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), dia 28, pelas 17H30. Na plateia estiveram a atriz do segundo filme, Alba Baptista, e o realizador da terceira exibição, Gonçalo Robalo.
Num sentido vasto e comum, os filmes focaram a problemática da morte aliada à memória, numa relação relativamente estreita. As questões de identidade – de onde vimos? onde tudo começa e acaba? o que vem a seguir? – foram também tratadas nas duas horas de exibições.

saber mais

IMG_4136.jpg

Cinema influenciado pelo contemporâneo e experimental

A segunda MasterSession promovida pela XXIV edição do festival Caminhos do Cinema Português debateu “Novas Propostas Formais no Cinema Contemporâneo”. Arrancou com algumas histórias partilhadas pelos oradores sobre o estado do cinema português e alguns dos problemas que lhe estão associados. Esta sessão tomou lugar na Sala do Carvão, dia 28, pelas 18h.

saber mais

31141441547_be38b17928_o.jpg

Caminhos para a promoção do cinema académico

Na tarde de 28 de novembro teve lugar, no cinema NOS do Alma Shopping, a Seleção Ensaios da XXIV edição do festival Caminhos do Cinema Português. Esta sessão, que decorreu desde 24 de novembro a 1 de dezembro promove, tanto a nível nacional como internacional, obras produzidas no seio de jovens criadores de escolas e academias.

saber mais

Versão-Para-Cinema-e1543371463276.jpg

Antevisão 28 de Novembro

Quinto dia dos Caminhos do Cinema Português e o Teatro Académico Gil Vicente volta a receber um conjunto de obras cinematográficos dos mais variados géneros.

saber mais

IMG_2277.jpg

Comédia, Sexo e Religião nos Caminhos do Cinema Português

O Teatro Académico Gil Vicente recebeu, no dia 27 de novembro, mais uma sessão de filmes que prendeu o público ao grande ecrã com sorrisos e gargalhadas “Maria”, uma curta-metragem, de Catarina Neves Ricci, e a longa-metragem “Cabaret Maxime”, de Bruno de Almeida, trouxeram dezenas de pessoas à sala do TAGV, muitos deles fidelizados ao evento há largos anos, num gesto público de afecto e apoio pelo cinema português.

saber mais

31166581217_448f2785e6_o.jpg

Sessão dos Caminhos privilegia problemáticas e temas familiares

O final de tarde do dia 27 de novembro no Teatro Académico Gil Vicente (TAGV) ficou marcado por três curtas metragens envolventes e dignas de emocionar qualquer um e uma longa metragem repleta de suspense e mistério, contando com duas estreias nacionais nesta sessão.

saber mais

DIG2018001G00055_CCP.jpg

Os primeiros passos dos criadores do amanhã

Foi num ambiente de intimidade que foi possível assistir à exibição de sete ensaios na sessão das 17h30 do dia 27 de novembro nos Cinemas NOS do Centro Comercial Alma Shopping. Foi na diferença de cada um dos ensaios que se fez perceber a importância de mais uma edição dos Caminhos do Cinema Português (CCP).

saber mais

Aparição-still-3.jpg

Antevisão dia 27 de Novembro

Os Caminhos do Cinema Português chegam ao seu quarto dia com três longas-metragens a serem exibidas no âmbito da competição oficial; Aparição, de Fernando Vendrell será a primeira naquela que é a adaptação cinematográfica da obra de Vergílio Ferreira seguida, ao final da tarde, pela longa-metragem Os Dois Irmãos, de Francisco Manso numa adaptação da obra do escritor luso-cabo-verdiano Germano de Almeida estando reservada para o final da noite Cabaret Maxime, a mais recente longa-metragem de Bruno de Almeida com um elenco onde se destacam as presenças de Michael Imperioli, Ana Padrão actriz já premiada nos Caminhos em 2016, John Ventimiglia e Celeste Rodrigues.
Mas não são só as longas-metragens que marcam o dia sendo também exibidas um conjunto de curtas-metragens onde se destacam as inspiradas animações 28 de Outubro, de Tiago Albuquerque e Porque Este é o Meu Ofício, de Paulo Monteiro bem como as ficções California, de Nuno Baltazar, Maria, de Catarina Neves Ricci e Pródigo, de João Lourenço todas elas a versar sobre um conjunto de personagens nas margens da sociedade que tentam desesperadamente sobreviver num mundo que não parece receptivo aos seus desejos.

saber mais

44271398580_0ccdedcc29_k.jpg

Entre o mito e o real

A 26 de Novembro, no terceiro dia da jornada cinematográfica, que é o Festival dos Caminhos do Cinema Português, o Teatro Académico Gil Vicente (TAGV) foi a casa das três últimas e impactantes produções da noite, “Agouro“, “Russa” e “Terra Franca“. A sala abriu-se a todos aqueles que quisessem cultivar o seu gosto pelo cinema, tendo a presença incidido numa faixa etária mais adulta.

saber mais

DSC_0375.jpg

Crise no cinema português discutida na Primeira MasterSession

Com várias opiniões e pontos de vista em cima da mesa, assim decorreu a primeira MasterSession da XXIV edição do Festival Caminhos do Cinema Português. Dia 26, pelas 18h, na Sala do Carvão, foi posto em discussão o tema “A representação da crise no cinema português nos festivais de cinema europeus”.

saber mais

sombraluminosaa.jpg

Antevisão do dia 26 de Novembro

Com a chegada do terceiro dia do Caminhos do Cinema Português chegam também três dinâmicos blocos de cinema cujas obras apresentadas se interligam. No primeiro serão exibidos Sombra Luminosa, de Francisco Queimadela e Mariana Caló, Quantas Vezes tem Sonhado Comigo?, de Júlia Buísel e O Homem Pykante – Diálogos Kom Pimenta, de Edgar Pêra num registo que aproxima o homem e a sua obra ou, mais concretamente, do Centro Internacional das Artes José de Guimarães, os pensamentos e os espaços de Fernando Pessoa e finalmente a poesia de Alberto Pimenta.
Num segundo bloco, os Caminhos apresentam um conjunto de obras centradas em tempos idos – pela sua componente artística ou mesmo pela abordagem os tempos pré-25 de Abril com as obras Entre Sombras, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos, Nevoeiro, de Daniel Veloso e ainda A Casa, de Rui Simões.
Finalmente, no último bloco da competição oficial, exibido no Teatro Académico Gil Vicente, a temática das obras apresentadas prende-se com o indivíduo e a comunidade explorando momentos de um interior profundo através da animação, a perspectiva singular de alguém pertencente ao Bairro do Aleixo e, finalmente um membro de uma comunidade piscatóra e a sua próxima relação com o rio e com a terra nas obras Agouro, de Vasco Sá e David Doutel, Russa, de João Salaviza e Ricardo Alves Jr. e Terra Franca, de Leonor Teles.

saber mais

IMG_1774-3.jpg

Tráfico de mulheres: motivo de reflexão no cinema português

No dia 25 de novembro, a XXIV edição do festival Caminhos do Cinema Português continuou a sua mostra na sala do Teatro Académico Gil Vicente numa sessão marcante. A curta-metragem “Terra Amarela”, de Dinis M. Costa e o filme “Carga”, de Bruno Gascon, fizeram sucesso graças à crua realidade que representam.

No Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a sessão das 21h45  incidiu sobre o tema do tráfico humano, e contou com a presença do respetivo realizador da curta Dinis M. Costa e a produtora Carolina Castro Almeida, bem como com a presença de Bruno Gascon, realizador do filme “Carga” e de Joana Domingues, produtora.

saber mais

45338816174_237938b358_k.jpg

Albinismo, africanidade, sentimento de presença e o valor da família marcam tarde de dia 25

As exibições iniciaram-se pelas 15H no Teatro Académico Gil Vicente (TAGV), com a Seleção Caminhos. “Anteu” de João Vladimiro e “A Árvore” de André Gil Mata foram os escolhidos para a sessão.  “Anteu” conta a história de uma criança, Anteu, que vive numa pequena aldeia, da qual, aos 17 anos se torna no único habitante. Um dia, na sua solidão, apercebe-se que não terá ninguém para o enterrar e decide que terá de ser ele mesmo a fazê-lo. “A Árvore”, por sua vez, retrata um cenário de guerra e mostra o percurso de uma criança e de um homem, que se encontram na solidão e partilham um segredo.

saber mais

31105719707_db33edf0aa_k.jpg

Mensagem do Diretor

Próximos do Jubileu que com certeza marcará a vida deste evento, orgulhamo-nos de trazer a Coimbra de forma ininterrupta e contínua o melhor do que se faz no cinema português. Consideramos que ao longo de 24 edições alcançamos um equilíbrio programático que reflete todos os géneros e feitios que caracterizam a produção de cinema no país, procurando de forma equitativa dar-lhe um espaço e públicos, que anseiam por ele, ou que lhes permite a descoberta do mesmo. Sem seccionismos, elitismos ou proselitismos tentamos manter coerente a identidade que nos caracteriza desde sempre: mostrar todo o cinema português.

saber mais