Notícias

image-2.png

Um sobrevoar do cinema

O sexto dia da 25ª edição do Festival Caminhos dos Cinema Português realizou-se a 27 de novembro. A sessão das 21h45 da Seleção Caminhos foi albergada pelo Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV). Esta contou com a presença de João Manso e Tiago Hespanha, respetivos realizadores das obras “História Secreta da Aviação” e “Campo”.

A curta-metragem “História Secreta da Aviação” surge como a adaptação ao grande ecrã de um texto de Manuel Zimbro. A reflexão sobre os picos e vales da vida estreou-se em Lisboa, em 2018, o mesmo ano em que foi filmada. O realizador, João Manso, admite que a obra surgiu da junção de duas ideias, as quais o conhecimento do texto e a questão dos incêndios, pois este possui família nas zonas que foram afetadas pelos incêndios do ano anterior à rodagem. O mesmo admite que a obra nasce de “um momento em que as duas vontades deviam ser trabalhadas juntas”.

saber mais

Screenshot-2019-11-27-18.07.15-scaled-e1574878201875.png

Poesia Concreta a abrir Caminhos

A par da programação dos filmes a concurso e das sessões especiais, o Festival Caminhos do Cinema Português tem tido desde sempre o objetivo de promover as mais distintas e audazes experiências cinematográficas. É nessa esteira que esta XXV edição do Festival tem vindo a exibir, no início de cada sessão, um conjunto de trabalhos fílmicos realizados por alunos do 2º ano da licenciatura em Design e Multimédia (FCTUC), que, sob a orientação dos professores Paul Hardman e Nuno Coelho, foram concebidos a partir de alguns dos trabalhos mais célebres da poesia concreta, tais como “NasceMorre” ou “Beba Coca Cola”, respetivamente dos autores brasileiros Haroldo de Campos e Décio Pignatari, e  ainda de autores portugueses, como é o caso de “Luz”, de Alberto Pimenta.

saber mais

47576227_2267589683265651_8246724202053238784_o.jpg

Sessões Queer

Os Caminhos primam como festival de cinema pela inclusão de todas as correntes de produção do cinema português.. Olhando à representação no ecrã das demais comunidades programaram-se um conjunto de sessões em que as temáticas LGBTI+ são protagonistas. Com as crescentes manifestações e a capacidade de auto-afirmação enquanto comunidade, que deve ser contemplada com direitos e tratamentos iguais, o festival traz ao público filmes que abordam a temática. Através de uma pluralidade temática e artística, vão ser transmitidos filmes que trabalham, desde questões de género e de orientação sexual, até tópicos sobre o corpo e a identidade. Assim, esperamos que os nossos caminhos se cruzem. As sessões com esta temática ocorrem na Quarta, 27 de Novembro, às 17:30 na Seleção Ensaios nos Cinemas NOS Alma Shopping, e Sexta, 29 de Novembro, às 17:30, na Selecção Ensaios nos Cinemas NOS Alma Shopping, 21:45 na sessão da Seleção Caminhos no TAGV e às 22:00 nos Caminhos Mundiais exibidos no Mini-Auditório Salgado Zenha.

saber mais

Campo-Img-PST-2.jpg

Destaques 27 de Novembro

A 27 de Novembro recebemos, na sessão das 21h45 da Selecção Caminhos as presenças de Tiago Hespanha, realizador de “Campo”, e João Manso, realizador de “História Secreta da Aviação”, ambos produções da Terratreme. 

À tarde, na sessão das 15h00, “18” terá o seu realizador Rui Esperança presente, bem como “Gabriel” será representado pelo seu realizador “Nuno Bernardo”, pelo Director de Fotografia, Pedro Negrão e pela actriz Ana Marta Ferreira. A actriz Soraia Chaves representa a curta-metragem Moscatro. Esta sessão é reposta às 22h00 nos Cinemas do Alma Shopping. 

Às 17h30 os Caminhos exibem a última animação de Regina Pessoa, “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias”, “Lá Fora as Laranjas Estão a Nascer” de Nevena Desivojević e “Alva”, do realizador Ico Costa.

saber mais

IMG_0055-scaled.jpg

Explosão de sensações num apocalipse cinematográfico

O Teatro Académico Gil Vicente foi, mais uma vez, casa das exibições desta terça-feira, dia 26. A Seleção Caminhos levou até aos espectadores, pelos ecrãs do teatro da Praça da República, os filmes “Invisível Herói” e “Mutant Blast”.

Duarte Pina protagonizou o primeiro filme da noite, com início às 21h45. A curta-metragem de Cristéle Alves Maria é, na sua perspetiva, uma demonstração da forte ligação que tem com a cultura crioula. Inicialmente, contou, a ideia passava por realizar uma longa metragem que abordaria os invisíveis de Lisboa e Duarte ia ser apenas mais um. Contudo, envolveu-se de tal forma com o que ele era enquanto pessoa e enquanto pessoa cega, que decidiu fazer uma curta só com ele.

“Invisível Herói” segue a história de Duarte, um homem de 50 anos, cego. Ao longo da curta ele vai procurando pelo seu amigo Leandro, a quem quer entregar a letra de uma canção escrita por si. Na praia, Duarte vai perguntando, a todos quantos sente a presença, se viram o seu amigo. Ninguém sabe quem é ou onde está. A verdade é que a procura daquele amigo, cuja existência questionamos, é o que permite a Duarte conversar, conhecer pessoas.

saber mais

0518D917-4988-47D9-8FD2-837D070F9741.jpeg

Comunicado

A direção do festival Caminhos do Cinema Português informa que o filme “Serpentário” de Carlos Conceição não será exibido na sessão competitiva da Seleção Caminhos, no Teatro Académico Gil Vicente, prevista para as 21h45. Lamentamos a decisão do realizador, apesar de todas as diligências tomadas pela organização para ir ao encontro atempado das questões levantadas por este. A situação não foi possível de se contornar e respeitamos a sua decisão. Garantimos ainda que a sessão das 21h45 no TAGV será assegurada mediante programação a anunciar.

A Direção do festival.

saber mais

image-2.png

Destaques 26 de Novembro

No dia 26 de novembro, o Festival Caminhos do Cinema Português na Seleção Caminhos apresenta “Invisível Herói” de Cristèle Alves Meira. Esta curta conta a história de Duarte invisual de 50 anos que procura por Leandro, o seu amigo imigrante cabo-verdiano desaparecido. Também inserido nesta sessão é apresentado o documentário “Serpentário” de Carlos Conceição. Um viajante chega vindo do céu à procura de redenção. A história avança com uma narração que se divide entre a voz do protagonista sem nome e uma voz feminina, de quem não se conhece o rosto ou condição. A sessão começa às 21:45 no Teatro Académico de Gil Vicente. Referência ainda para Linhas Tortas, de Rita Nunes, às 15:00.

É um dia recheado de convidados especiais que possibilitam ao público o contacto directo com os criadores do nosso cinema. Estarão presentes Mariana Gaivão, realizadora do filme “Ruby”, Rui Esperança, realizador de “Os Inúteis” e “18”, bem como Marta Fatal e Rafael Marques, também do filme “Os Inúteis”, representando o “Último Acto”, a realizadora Maria Hespanhol e Ricardo Almeida, e, por fim, Cristèle Alves Meira, realizadora, e Duarte Pina, actor, de “Invisível Herói. 

saber mais

Vitalina Varela – O silêncio cinematográfico que nos cativa

A última obra de Pedro Costa tem o nome da sua personagem principal, uma personagem de carne e osso. Através de um cinema cru, que mostra a realidade dos bairros sociais na capital, o realizador permite ao espetador observar o cruel quotidiano de quem vive naquelas “casas”. No dia 24, no TAGV, esteve ainda presente Leonardo Simões, diretor de fotografia, para abordar a temática da iluminação. 

A nona longa metragem do realizador conta a história de Vitalina, uma cabo verdiana cujo marido partiu para Portugal. A mulher esteve mais de 25 anos à espera para conseguir visitar o marido. Quando o consegue, é já tarde demais, uma vez que o seu funeral fora há três dias. Através da luz natural e do barulho de fundo, Pedro Costa leva os espetadores a imergir na dor da perda de Vitalina. 

saber mais

‘O Meu Cinema’ toma conta das Mastersessions

Nem só de cinema é feito o Festival Caminhos do Cinema Português. Coimbra é palco do evento que leva a cabo o mote “Cinema Português para Todos”, durante a presente semana. Para além de ter o objetivo de despertar o interesse pelo cinema ou alimentar o gosto já previamente adquirido, também pretende promover conversas e “discussão” sobre a sétima arte.

Posto isto, a semana do festival conta também com Mastersessions. O conceito a desenvolver este ano é o do “O Meu Cinema”, tirando proveito da presença de realizadores conceituados na cidade de Coimbra devido ao festival. O tempo da Masterclass será por volta de uma hora, criando-se uma conversa mais dinâmica, entre o público e orador, e um aprofundamento no cinema de alguns realizadores portugueses.

saber mais