Notícias

Foto1-370x370.jpg

A perspetiva feminina do cinema para adultos

Programação de 12 de novembro do Festival Caminhos do Cinema Português convida a uma nova abordagem dos filmes para adultos, com a presença da atriz espanhola Bunnie Bennett

O cinema para adultos do ponto de vista feminino é a abordagem proposta pelos Caminhos no Turno da Noite de 12 de novembro, a partir das 23:59, na Casa do Cinema de Coimbra. Seis curtas-metragens, onde o tema central é o prazer feminino, serão exibidas, com a presença de Bunnie Bennett, atriz espanhola e protagonista da curta “The Narcissist”. A terminar a sessão, será exibido “ASMR”, da premiada realizadora de filmes para adultos Erika Lust.

saber mais

O-Casarao-Still-1-1778x1000.jpg

“O Casarão” em antestreia no Festival Caminhos

Filme de Filipe Araújo exibido pela primeira vez esta quarta-feira à noite na Casa do Cinema de Coimbra, com a presença do realizador e do protagonista

A antestreia de “O Casarão”, de Filipe Araújo, marca o dia do Festival Caminhos do Cinema Português, a 10 de novembro. O realizador e o protagonista, António Oliveira, estarão presentes na Casa do Cinema de Coimbra, no Centro Comercial Avenida. Num dia em que Marielle Franco, Fernando Pessoa e os direitos LGBT estão também em exibição.

saber mais

40618_61838_62366-1920x1075.jpg

Retratos íntimos da Guerra Colonial na Casa do Cinema de Coimbra

Tarde do Festival Caminhos dedicada a Timor e Espanha.

“Os Fotocines”, de Sabrina D. Marques, é exibido na noite de terça-feira, 9 de novembro, na Casa do Cinema de Coimbra. Trata-se de um retrato íntimo da Guerra Colonial Portuguesa feita com os seus sobreviventes, ao longo dos 72 minutos do documentário. “Os Fotocines” foi concluído em maio de 2021 e estará em exibição a partir das 21h45, na Casa do Cinema de Coimbra.

Nesta mesma noite, estarão em exibição três curtas, também na secção Outros Olhares. “Éleonor”, da realizadora luso-francesa Éleonor Silva; “Urubu é o Amigo Desconhecido” do ator e realizador luso-guineense Welket Bungué; e “Cassandra de Balaclava”, a história de uma atriz que abandona a sua carreira e o seu país, realizada por Nuno M. Cardoso, que marcará presença na Casa do Cinema de Coimbra.

Durante a tarde, na secção Filmes da Lusofonia, estará em exibição “Uma Halibur Hamutuk – Uma Casa que nos Une”, de Ricardo Dias. Um filme que mostra relatos de mulheres timorenses sobre o atribulado ano de 1999, altura em que foi referendada a independência do país, perante a ocupação indonésia. “O Solo Sagrado da Terra”, sobre a poetisa são-tomense Alda Espírito Santo, completa a secção neste 9 de novembro.

Em Filmes do Mundo, destaque para a presença do realizador hispano-venezuelano Luís Suarez Bracho, autor de “Dilemma”. “Distello Bravio”, de Ainhoa Rodríguez, também originário de Espanha, completa a secção.

saber mais

20150330_-_Cinemalogia-Rodagem-Nunca-é-Tarde__408_de_600-1280x720.jpg

Curso de Cinema

Para além do Festival, que ocorre entre 6 e 20 de Novembro, na Casa do Cinema de Coimbra e no TAGV, os Caminhos do Cinema Português em parceria com a Universidade Aberta (UAb), desde 2011 promovem o curso Cinemalogia, voltado para o estudo das fases necessárias à conceção de um filme.

saber mais

126923913_3743595559018776_404629943043756235_n-copy.png

Mensagem da Direção

Ao longo dos anos, temos salientado que é essencial a descentralização cultural, que é igualmente necessário criar as condições de fruição e acesso cultural em todo o território, promovendo iniciativas que não se cingem à cidade de Coimbra, à Região Centro, e que passam por levar o cinema português mais além. Consideramos igualmente que a programação de cinema português deve estar acessível ao longo do ano, disponibilizada aos diferentes públicos que anualmente nos acompanham por ocasião dos Caminhos do Cinema Português, uma oportunidade de o ter sempre junto a si. Este ano, através do projeto Casa do Cinema de Coimbra, iniciamos uma nova forma de estar presente na cidade, com programação regular, ressuscitando um espaço e abrindo-o de novo à fruição cultural, e à sua vocação original que é o cinema.

saber mais

OUTROS-OLHARES_EVENTO-1920x1007-e1635690994490.jpg

Outros Olhares

Primeiro foi o “novo normal”, e agora é o “regresso à normalidade”. E ainda nem tivemos o tempo necessário e imprescindível para assimilar a inerente estranheza destas expressões tão curiosas que repentinamente vieram assaltar o nosso quotidiano. Teremos estado assim tão inundados pela constante torrente de “notícias”, “opiniões” e variadas outras reações oferecidas pelos novos meios, aos quais temos a desfaçatez de encarar enquanto “comunicação”, para não nos termos apercebido do comodismo com que medimos toda e qualquer realidade, por mais espantosa que seja, através do confortável conceito de “normal”? E se sim, como observar de facto essa normalidade a que estamos a regressar?

saber mais

SELECAO-CAMINHOS_EVENTO-1920x1007-e1635691013528.jpg

Quem são os “todos” para quem programamos?

Poucas serão as biografias que não apresentem períodos de nigredo ou de estágios de inacção. Habitualmente esses momentos – apesar normalmente enfrentados da pior das maneiras – têm em si a “possibilidade semente”, a capacidade de regeneração e reinvenção, em suma a oportunidade de iluminar a “noite escura da alma”.

Estes últimos tempos representaram toda uma negritude com um elemento adicional (e novo para o mundo ocidental contemporâneo): a partilha desse momento. Como colectivo humano, ouvimos em uníssono a voz do silêncio de uma pandemia que nos forçou a isolar e a mudar hábitos. Fez com que abandonássemos, entre outros, hábitos de consumo cultural e social, chegando ao cúmulo de uma quase total substituição de um curador de cinema por um algoritmo de uma qualquer plataforma online.

Na passada edição, no auge de uma pandemia com limitações variadas e transversais a todos os comportamentos humanos, tentámos que esses momentos escuros de isolamento fossem “compensados” por momentos de individualidade partilhada dentro de uma sala de cinema. Apesar disso, sejamos justos, percebemos que o próprio significado de festival (no sentido mais literal de festividade) não foi totalmente cumprido e deixado em pausa.

saber mais