PREMIADOS.png

Premiados da XXIV edição

Terminou a 1 de dezembro a XXIV edição dos Caminhos do Cinema Português. Das cinco equipas de júri; Caminhos, Ensaios, FICC, Imprensa CISION e Público, resultaram 26 premiações dais quais “Cabaret Maxime”, de Bruno de Almeida, foi o filme que mais galardões alcançou, nomeadamente Melhor Banda Sonora, para Manuel João Vieira, Melhor Realização, para Bruno de Almeida, Melhor Direção Artística, para João Torres, Melhor Actor Secundário para John Wentinmiglia e o Grande Prémio do Festival.

Destaque ainda para “Até que o Porno nos Separe” de Jorge Pelicano que na sua primeira exibição alcançou o prémio de Melhor Documentário Universidade de Coimbra e o Prémio do Público Chama Amarela, “Por Tua Testemunha” de João Pupo com os Prémios de Melhor Argumento Adaptado e de Melhor Actor para Fernando Rodrigues, “Aparição”, de Fernando Vendrell, que conquistou os prémios de Melhor Atriz Secundária e Melhor Guarda-Roupa, “Maria”, de Catarina Neves Ricci, com os prémios de Melhor Atriz e Menção Honrosa do Júri FICC, Anteu, de João Vladimiro, premiado com o Prémio Melhor Comunicação e Promoção Ivity Brand Corp. e Melhor Curta-Metragem Turismo do Centro, “Entre Sombras”, de Mónica Santos e Alice Guimarães, Melhor Animação e Menção Honrosa do Júri de Imprensa CISION e, finalmente, para “Terra Franca”, de Leonor Teles, que alcançou os prémios D. Quijote da Federação Internacional de Cineclubes e o Prémio de Melhor Longa-Metragem de Ficção Europcar.


Melhor Ensaio Nacional
Um Marco no Futebol, de José Caetano, Universidade da Beira Interior

Pelo engenho, humor e arrojo na manipulação do argumento em fluente diálogo com o imprevisto do real.

Menção Honrosa Ensaio Nacional
Manuel Casimiro – Pintar a Palavra, de Isabel Gomes, Colégio das Artes Universidade de Coimbra
Um filme de trabalho, generoso em que o objetivo torna-se ele próprio num gesto artístico.


Melhor Ensaio Internacional
Vidas Cinza, de Leonardo Martinelli, Universidade Estácio de Sá

Vidas Cinza explora a realidade de forma metafórica sobre a perda dos direitos fundamentais e liberdades na sociedade brasileira sob a perspetiva de uma possível prática política de extrema direita.

Menção Honrosa Ensaio Internacional
In Between Spaces, de Don Senoc, Instituto de Cinema da Universidade das Filipinas

A genuinidade e pureza com que dois irmãos aproveitam os escassos momentos juntos até à dolosa e iminente despedida, é inspiradora pela forma como sensibiliza o espectador mediante toda uma delicadeza minuciosa ao longo da narrativa.


Prémio de Imprensa CISION
Seduzido pelo pudor e ironia com que um cineasta partiu à procura da sua história familiar, seduzido por uma aventura individual tão delicada e silenciosa com a qual se pinta o colectivo que ainda somos, o Júri de Imprensa CISION deu o seu prémio a Bostofrio, oú le ciel rejoint la terre, de Paulo Carneiro.

Menção Honrosa
Ao coração e à ousadia de Entre Sombras, de Mónica Santos e Alice Guimarães (ANIMAIS AVPL, VIVEMAIUMDI!, 1 Segundo Filmes)

IFFS D. Quijote Award / Prémio D. Quijote da Federação Internacional de Cineclubes (FICC)
Terra Franca, de/directed by Leonor Teles (Uma Pedra no Sapato)

Um retrato honesto do conceito família, nunca afetado pela presença constante de uma câmara de vídeo. Albertino esforça-se para encontrar um rumo face à ameaça ao seu sustento. Há uma simplicidade neste filme que captura uma família real com problemas reais. Atribuímos o Prémio Don Quijote a este filme porque, apesar de ser uma história tão autêntica, as dificuldades enfrentadas por esta família, a incerteza da vida da classe trabalhadora, são relacionáveis a pessoas comuns em diferentes nações. Mais importante, este filme oferece-nos a esperança de que as adversidades nem sempre vencem.
In an honest portrayal of family, unaffected by the constant presence of a camera, Albertino struggles to find purpose in the face of a threat to his livelihood. There is a simplicity to this film that captures a real family with real problems and we get a raw insight into Albertino through his interactions with other people in his world.
We chose to award the Don Quijote Prize to this film because while being such an authentic Portuguese story, the struggles faced by this family, the uncertainty of working class life, are relatable to ordinary people across different nations. Most importantly it provides hope that the hard times won’t last.

Honorable Mention / Menção Honrosa
Maria, de/directed by Catarina Neves Ricci (UKBAR Filmes)
A realizadora criou um retrato íntimo e crasso, capaz de despertar emoções fortes. O tema é universal mas é raro ver essa perspectiva de empatia com planos que procuram o pormenor e uma visão honesta do corpo humano ao ponto de captar a sua fragilidade.
The filmmaker has created an intimate, raw portrayal that is able to invoke such strong emotions in a viewer, having a great impact despite a short runtime. The subject is universal, but it’s rare to see such a empathetic perspective, with close ups and an honest view of the body that really capture fragility.

 

Júri Caminhos

 

 

Prémios Técnicos e Artísticos

 


Melhor Actor
Fernando Rodrigues em Por Tua Testemunha, de João Pupo (Terratreme)
Este actor conduziu-nos de imediato para dentro da narrativa de uma forma simples e discreta e por isso, tão impactante.


Melhor Actor Secundário
Jonh Ventimiglia em Cabaret Maxine, de Bruno de Almeida (BA Filmes)
O seu carisma, sentido de Humor e presença torna-o o verdadeiro anfitrião deste filme.

Melhor Actriz
Valerie Bradell em Maria, de Catarina Neves Ricci (Ukbar Filmes)
Esta atriz, pela sua entrega e veracidade, eleva a um nível quase documental esta ficção.

Menção Honrosa
Grace Passô em Praça Paris, de Lúcia Murat (Fado Filmes)
A atriz tem uma interpretação exemplar, na forma como deu vida a uma personagem ambígua e contraditória, como todos nós somos, afinal.


Melhor Actriz Secundária
Rita Martins em Aparição de Fernando Vendrell (David & Golias)
A atriz destaca-se neste filme pela forma astuta e contida com que encarna o seu papel.

Melhor Direcção Artística
João Torres em Cabaret Maxine, de Bruno de Almeida (BA Filmes)
Somos imediatamente transportados pelo ambiente intemporal, underground e estranhamente mágico, do filme.

Melhor Direção de Fotografia
João Ribeiro AIP em A Árvore, de André Gil da Mata
A nostalgia da película constrói um Mundo de temperatura fria e sóbria que nos leva numa viagem sensorial.

Melhor Guarda Roupa
Patrícia Doria em Aparição, de Fernando Vendrell (David & Golias)
Aqui premiamos a originalidade e a mestria de um guarda-roupa fidedigno.

Melhor Realizador
Bruno de Almeida, com o filme Cabaret Maxine, de Bruno de Almeida (BA Filmes)
O realizador consegue dar vida a uma história que nos é apresentada de forma hábil e engenhosa.

Melhor Caracterização
Catarina Santiago em A Estranha Casa na Bruma, de Guilherme Daniel (Suspícios Filmes)
Este trabalho de caracterização é essencial para transmitir a atmosfera do filme.

Melhor Montagem
Marco Amaral e João Braz em 3 Anos Depois, de Marco Amaral
Um filme que encadeia as cenas de forma eficiente e cinematográfica, revelando aos poucos os não ditos da história.

Melhor Som
Pedro Marinho Pedro Góis e Artur Cyaneto em Caminhos Magnétykos de Edgar Pêra (Bando à Parte)
Uma teia complexa de sons e música que acompanham uma imagem caleidoscópica.


Melhor Argumento Original
Eugènne Green, em Como Fernando Pessoa Salvou Portugal de Eugènne Green (O Som e a Fúria)
Como um tema já conhecido de todos consegue ser abordado de uma maneira que nos surpreendeu.


Melhor Argumento Adaptado
João Pupo, em Por Sua Testemunha, de João Pupo (Terratreme)
O argumento consegue extrair da obra original os elementos essenciais para criar uma linha narrativa eficaz.

Melhor Banda Sonora Original
Manuel João Vieira, em Cabaret Maxine de Bruno de Almeida (BA Filmes)
O verdadeiro espírito do filme está presente nesta banda sonora.

Melhor Comunicação e Promoção IVITY BRAND CORP
João Vladimiro, em Anteu de João Vladimir (Terratreme)
Pela forma criativa e original como este filme foi promovido.

Prémios Oficiais

Prémio Revelação
Mónica Chen, em Califórnia, de Nuno Baltazar
Encanta-nos o modo gracioso e profundo como a atriz interpretou o seu papel.

Prémio Melhor Animação
Entre Sombras, de Mónica Santos e Alice Guimarães (ANIMAIS AVPL, VIVEMAIUMDI!, 1 Segundo Filmes)
Destacamos a originalidade e o aspecto inventivo desta curta-metragem que presta homenagem ao cinema, e que nos maravilhou a cada fotograma.

Prémio Melhor Documentário Universidade de Coimbra
Até que o Porno nos Separe, de Jorge Pelicano (Até ao Fim do Mundo)
Este filme, mais do que tudo, é uma grande história de amor.

Prémio Melhor Curta-Metragem Turismo do Centro
Anteu, de João Vladimir (Terratreme)
Através do silêncio e da solidão, este filme, constrói uma narrativa simples, mas surpreendente.

Prémio Melhor Longa-Metragem de Ficção EUROPCAR
Terra Franca, de Leonor Teles (Uma Pedra no Sapato)
O júri decidiu atribuir este prémio a um documentário de longa metragem. Filmado num tempo largo e com dispositivos narrativos tão complexos como um filme de ficção, o filme lembra-nos o que fica, para além de todas as tempestades.

Grande Prémio do Festival
Cabaret Maxime, de Bruno de Almeida (BA FILMES)
Um filme que se constrói das ruínas de um mundo que não volta mais.

Prémio do Público Chama Amarela
Até que o Porno nos Separe, de Jorge Pelicano (Até ao Fim do Mundo)