Warning: Trying to access array offset on false in /home/caminhos/public_html/wp-content/themes/swatch/partials/content.php on line 20

Warning: Trying to access array offset on false in /home/caminhos/public_html/wp-content/themes/swatch/partials/content.php on line 26
MG_0775-scaled.jpg

Crónica do Festival – Parte VIII

E é precisamente tal salto que lhe permitiu ir exercitando, de curtas para longas metragens, a lente em tons muito próprios e distintos do cinema português, quase que ao nível do estilo americano, com toda a pompa e circunstância sumptuosas das produções Hollywoodescas. No entanto, sem descurar a sua origem e o seu caracter nacional, apesar de muitos acusarem o seu recurso ao cinema norte-americano enquanto um ardil superficial para seduzir o público português. Embora tal prisma se compreenda, não se deve resumir a cadência expositiva do realizador a uma mera isca, pois os seus filmes (sobretudo as longas), centrando-se embora nos panoramas cuidados, revelam substanciais no que toca ao teor temático das premissas que aborda. Veja-se o caso dos exercícios biográficos sobre Al Berto ou Florbela Espanca, que requerem necessariamente um olhar não necessariamente poético, mas sim que é leitor da poesia.

É precisamente essa concordância deste cineasta oriundo de Sines com o olhar interesseiro das audiências que o torna um dos realizadores comercialmente mais viáveis na 7ª arte feita em Portugal. Mais louvável é como, apesar disso, Alves do Ó nunca parece comprometer-se às regras vigentes do cinema inofensivo e de domingo à tarde. Cada projecto novo que surge na sua filmografia parece ser entendido e enfrentado como um desafio artístico. A comprovar isso encontramos no cartaz do penúltimo dia do festival Caminhos duas das suas querelas mais recentes. A primeira, “Quero-te Tanto“, é uma comédia romântica que será exibida às 15:00 no TAGV e mais tarde reposto no horário das 22:00 no cinema NOS do Alma Shopping. Nesse horário nocturno, será igualmente exibido no TAGV a longa “Golpe de Sol“, filme que invoca tons mais introspectivos e dramáticos e que na mesma sessão é acompanhada de “Purpleboy” de Alexandre Sequeira e “Flutuar” de Artur Serra Araújo.

Pedro Nora

Related Posts