Tag Purpleboy

MG_0775-scaled.jpg

Crónica do Festival – Parte VIII

Vicente Alves do Ó é um cineasta com uma evolução muito peculiar, no sentido em que foi gradualmente criando e evoluindo um nome e respectiva marca de autor através dos trabalhos de bastidores. Através de guiões para telefilmes como “Monsanto” de Ruy Guerra ou “Facas e Anjos” de Eduardo Guedes, eventualmente inovou a sua lírica para o grande ecrã, onde assinou os argumentos para grandes sucessos de bilheteira como “Os Imortais” de António-Pedro Vasconcelos e “Kiss Me” António da Cunha Telles. Em 2005, dá o grande salto para a cadeira de realizador com a curta “Entre o Desejo e o Destino” e tal assento revela-se imediatamente confortável na sua faceta de esteticista narrativo. Isto porque apesar dos seus primórdios se situarem na escrita, Alves do Ó afirma-se acima de tudo como um autor com o visual em primeiro plano.

saber mais

MG_0794-scaled.jpg

Amor e o género marcam 8.º dia

Noite escura de sexta. No chão da Praça da República o tempo chuvoso garante um bom número de poças de água no chão. Nelas a luz reflete e aponta para algo mais grandioso: o Teatro Académico de Gil Vicente. Lá dentro não se sente a brisa incomodativamente fresca que sopra cá fora. Bem pelo contrário, sente-se um quente acolhedor que cola os presentes à sua confortável cadeira para ver mais uma sessão noturna da Seleção Caminhos. É o oitavo e penúltimo dia da 25ª edição do Festival Caminhos do Cinema Português.

Na tela projetam-se Purpleboy, de Alexandre Siqueira, Flutuar, de Artur Serra Araújo e Golpe de Sol de Vicente Alves do Ó.

saber mais

Flutuar-Img-Pst-1.jpg

Além Variações, sexta é o dia da comunidade LGBTI+!

As exibições com abordagens às temáticas  LGBTI+, começam na quinta-feira, dia 29 de novembro. António Joaquim Rodrigues Ribeiro é o protagonista e dá pelo nome de António Variações. Um ícone da música portuguesa e um dos primeiros portugueses a assumir-se como homossexual, deixou marcas e abriu caminhos a várias gerações de artistas. Um filme biográfico que levou mais de 15 anos a estar de pé, pelo realizador João Maia. As perguntas e respostas desta sessão são moderadas por Sandra Bettencourt.

saber mais

47576227_2267589683265651_8246724202053238784_o.jpg

Sessões Queer

Os Caminhos primam como festival de cinema pela inclusão de todas as correntes de produção do cinema português.. Olhando à representação no ecrã das demais comunidades programaram-se um conjunto de sessões em que as temáticas LGBTI+ são protagonistas. Com as crescentes manifestações e a capacidade de auto-afirmação enquanto comunidade, que deve ser contemplada com direitos e tratamentos iguais, o festival traz ao público filmes que abordam a temática. Através de uma pluralidade temática e artística, vão ser transmitidos filmes que trabalham, desde questões de género e de orientação sexual, até tópicos sobre o corpo e a identidade. Assim, esperamos que os nossos caminhos se cruzem. As sessões com esta temática ocorrem na Quarta, 27 de Novembro, às 17:30 na Seleção Ensaios nos Cinemas NOS Alma Shopping, e Sexta, 29 de Novembro, às 17:30, na Selecção Ensaios nos Cinemas NOS Alma Shopping, 21:45 na sessão da Seleção Caminhos no TAGV e às 22:00 nos Caminhos Mundiais exibidos no Mini-Auditório Salgado Zenha.

saber mais

palmas-emblemas_caminhos-01.png

Selecção Caminhos (2019)

A produção nacional parece responder a um género de chamado conceptual, apresentando anualmente temáticas que se cruzam, independentemente da distância, quanto à sua forma e resultado. Nesta XXV Edição do festival Caminhos, a questão memória foi evocada constantemente, despoletada pela organização do nosso acervo aquando da idealização do conceito desta presente edição e celebração.

saber mais