Tag Espectador Fantasma

28-NOV-5.jpg

Crónica do Espectador Fantasma (4)

Fenómeno comum a todos os festivais de cinema é a existência de certas entradas fílmicas que acabam por gerar uma maior expectativa no público, destacando-se por entre os variados trabalhos que figuram nos diferentes catálogos.

Os Caminhos do Cinema Português não são excepção, dado que ano após ano, há sempre um prato mais apetecível no cardápio do Festival. Este ano, as suspeitas recaíam sobre “Listen”, filme sobre uma família portuguesa emigrada em Londres que vê a guarda dos filhos a ser ameaçada por suspeitas da parte dos serviços sociais. Este novo trabalho de Ana Rocha, cuja abordagem é fortemente enraizada nas crónicas características da filmografia de Ken Loach, tem conquistado a crítica nacional, bem como o circuito internacional de festivais, tendo já sido distinguido em Zagreb, Egipto e Veneza.

saber mais

28-NOV-7.jpg

Crónica do Espectador Fantasma (3)

Cada vez mais, a nossa existência parece decorrer perante uma janela. No presente ano, tal exprime-se pelo enquadramento do nosso quotidiano, seja para apanhar ar puro nos serões domésticos ou interagir com os outros pelas variadas vias internáuticas. Em consonância com esta tendência, o próprio cinema foi-se reinventando perante tal moldura.

A nível narrativo, tal concordância evidenciou-se sobretudo nos thrillers. Basta ver o caso de “Janela Indiscreta” de Alfred Hitchcock, um conto caucionário de voyeurismo que entretanto serviu de infra-estrutura para muitos dos thrillers cibernéticos de hoje como “Host” de Rob Savage ou “Janela Aberta” de Nacho Vigalondo.

saber mais

126073735_3857951067562830_2245615388727156905_o-e1606475110184.jpg

Crónica do Espectador Fantasma (1)

Volvido o seu quarto de século de existência celebrado no ano passado, o Festival Caminhos do Cinema Português regressa em 2020 com um novo ímpeto, bem mais destemido a que nos habituou. Seguindo a vertente mais heróica que a maioria dos educadores procura enfatizar nos livros de história, a organização do Festival aposta com um espírito de persistência cultural na confiança e coragem – quer dos espectadores, quer dos cineastas – em ir à sala de cinema nestes tempos incertos, de forma a ecoar o mantra actualmente publicitado nas redes sociais de #aculturaésegura. Mais que um apelo, trata-se de uma afirmação que a projecção audiovisual em sala é recompensadora, nem que seja enquanto refúgio das notícias e sensacionalismos alarmantes dos media. Um escopo que as transmissões internáuticas não possibilitam, por mais tentador que seja o seu aparente conforto publicitado.

saber mais