Tag António Sousa Dias

dsc_0692_24980452208_o.jpg

Crónica do Festival – VII

E eis-nos chegados ao último dia da XXIII edição do festival “Caminhos do Cinema Português”, o único festival em Portugal exclusivamente dedicado ao cinema de produção nacional. Foi para este dia que ficou reservada a exibição de A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho, na sessão das 15.00h da Seleção Caminhos, na sala principal do TAGV. Este exercício que atravessa estilos e catalogações para refletir sobre aspetos da conjuntura recente da nossa sociedade e economia era um dos filmes mais aguardados do festival, como se averiguou pelo público compunha a plateia e que, apesar das baixas temperaturas daquela tarde gélida de domingo e de o filme ter passado recentemente no circuito comercial, não quis perder a oportunidade de (re)ver esta que é uma das obras mais marcantes de produção portuguesa dos tempos mais recentes. Depois, às 19.45h, foi no Mini-Auditório Salgado Zenha que decorreu a última sessão de cinema desta edição do festival, neste caso dos Caminhos Mundiais, composta por quatro filmes de diferentes latitudes.

Estavam, então, assim concluídas as sessões de cinema deste ano. Os diferentes júris terminavam as suas avaliações e faziam as necessárias reuniões de deliberação para darem os seus vereditos finais sobre os filmes a concurso. Entretanto, a sala principal do TAGV compunha-se para receber os realizadores, atores, produtores, elementos do júri, etc., na Gala de Encerramento do Festival e Entrega dos Prémios, que teve início às 22.00h. 

saber mais