Joana Carregado

Posts by joana.carregado

captura-de-ecra-2023-03-07-as-14.24.46-e1678897996616.jpg

Mundo na Escola · XXV Semana Cultural UC

Integrada na XXV Semana Cultural da Universidade de Coimbra, decorrerá nos dias 9 e 10 março, entre as 10h e as 17h, no Jardim de Infância SASUC, a atividade “Mundo na Escola” — uma oficina de animação tradicional, que procura desenvolver as diversas capacidades no que respeita à arte de ver e fazer filmes junto dos mais novos.

Saber mais

website.jpg

Vai ao Festival de Veneza com o 27 Times Cinema

Queres ir ao Festival de Veneza? És um apaixonado por cinema, entre os 18 e 25 anos, bom comunicador e fluente em inglês? Participa no 27 Times Cinema e torna-te no embaixador de Portugal no Júri da Giornati Degli Autori no Festival de Veneza! A Casa do Cinema de Coimbra junta-se à Europa Cinemas, Lux Award, Parlamento Europeu e Cineuropa para te dar a possibilidade de participares na 80º edição do festival! 

Saber mais

fm3.jpg

Lugares que desaparecem, lugares que nos politizam

Por João Luís Fernandes
Clube de Cinema Caminhos · Fevereiro 2023
Um interessante diálogo entre a Geografia e a Arqueologia é a ideia dos lugares que definham e podem morrer. Habituados a estudar núcleos de povoamento que crescem, expandem-se e tornam-se sucessivamente mais complexos, é importante perceber que o sentido contrário também é possível.
Uns desaparecem em poucos dias porque se tornam repulsivos, como Pripyat (na Ucrânia) depois da explosão de um dos reatores da central nuclear de Chernobyl em 1986.
Outros vão perdendo centralidade e razão de ser. Tornam-se indifentes mas deixam marcas na paisagem, ou melhor, deixam uma paisagem de matéria, ruídos, vozes e memórias. Este foi o exemplo de Pyramiden, a cidade mineira soviética no arquipélago de Svalbard (Noruega). Porque estes lugares também falam, em 2012 uma banda dinamarquesa de rock experimental (Efterklang) recolheu, trabalhou e misturou os registos da paisagem sonora deste espaço abandonada e editou o álbum “The ghost of Piramida”.
Fordlândia, uma cidade-empresa de 1928 fundada por Henry Ford na Amazónia (nas margens do Rio Tapajós), não é propriamente um lugar-fantama mas tem uma trajetória de decadência e ruína.
O lugar nasce porque no início do século do automóvel era preciso recolher a matéria-prima (borracha) para os pneus. Por várias razões, o projeto não resultou e a cidade, sem vida para além da sua monofuncionalidade original, foi-se decompondo.
Com habitações, um hospital, piscina e outros equipamentos de apoio, esta “american town” ocupou o território de um antigo povoado indígena, foi o núcleo e a frente avançada de um processo rápido de desmatamento. Apesar disso, Fordlandia fracassou nos seus objetivos iniciais e tornou-se uma ruína, ainda que ali permaneça um número residual de habitantes que resistem.
Vem isto a propósito de uma excelente sessão temática dedicada à Amazónia que aconteceu no final da tarde de domingo, ontem dia 26 de fevereiro, na Casa do Cinema de Coimbra.

Saber mais

website.png

Ciclo Horizonte — 02 a 28 março

Entre os dias 2 e 28 de março, a Casa do Cinema de Coimbra apresenta o ciclo Horizonte, integrado na XXV Semana Cultural da Universidade de Coimbra. Este ciclo une um conjunto de filmes que partem de quatro contextos distintos para pensar a relação do homem com os lugares, moldada pela guerra e as lutas sociais, sendo aqui representadas na óptica do cinema a partir da memória e experiências de cada comunidade. 

Saber mais

Clube de Cinema Caminhos

A denominação de “Clube de Cinema”, e a adopção não previsível de “Cineclube”, não representa qualquer tentativa de afastar a longa e importante história do cineclubismo, cujo impacto social (e por isso político) é inegável. Mas, para sermos rigorosos, o conceito de cineclube, hoje, depende de uma dedicação conjunta por um associativismo que, por ser legalmente regulado, exige tempo e dedicação de forma a que se perceba como lidar com uma multiplicidade de burocracias para a sua manutenção e existência.

Saber mais