Programação

dsc_0692_24980452208_o.jpg

Crónica do Festival – VII

E eis-nos chegados ao último dia da XXIII edição do festival “Caminhos do Cinema Português”, o único festival em Portugal exclusivamente dedicado ao cinema de produção nacional. Foi para este dia que ficou reservada a exibição de A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho, na sessão das 15.00h da Seleção Caminhos, na sala principal do TAGV. Este exercício que atravessa estilos e catalogações para refletir sobre aspetos da conjuntura recente da nossa sociedade e economia era um dos filmes mais aguardados do festival, como se averiguou pelo público compunha a plateia e que, apesar das baixas temperaturas daquela tarde gélida de domingo e de o filme ter passado recentemente no circuito comercial, não quis perder a oportunidade de (re)ver esta que é uma das obras mais marcantes de produção portuguesa dos tempos mais recentes. Depois, às 19.45h, foi no Mini-Auditório Salgado Zenha que decorreu a última sessão de cinema desta edição do festival, neste caso dos Caminhos Mundiais, composta por quatro filmes de diferentes latitudes.

Estavam, então, assim concluídas as sessões de cinema deste ano. Os diferentes júris terminavam as suas avaliações e faziam as necessárias reuniões de deliberação para darem os seus vereditos finais sobre os filmes a concurso. Entretanto, a sala principal do TAGV compunha-se para receber os realizadores, atores, produtores, elementos do júri, etc., na Gala de Encerramento do Festival e Entrega dos Prémios, que teve início às 22.00h. 

saber mais

IMG_9346.jpg

Crónica do Festival – VI

O dia 2 de dezembro foi o sexto do festival “Caminhos do Cinema Português”. Passadas que eram já incontáveis horas de visualização de novíssimas obras cinematográficas de produção nacional, felizmente faltavam ainda algumas mais, pois se há uma palavra que pode definir este sexto dia, essa palavra é “poderoso”.

saber mais

IMG_9114.jpg

Crónica do Festival – V

O dia terminou com mais uma Master Session, desta vez subordinada ao tema “O outro eu”, que propunha pensar de que maneira um projeto cinematográfico pode influenciar a vida dos atores, dos realizadores e de todos os outros intervenientes na realização de um filme, muitas vezes tendentes, e através de várias formas, a desdobramentos em diversos “Eus”.

saber mais

23905225647_9f2429bd9c_k.jpg

Crónica do Festival – IV

Consciente de que o cinema é um caminho que exige momentos de play and repete – ou seja, de constantes desafios, de permanentes investidas, mas também de pausa e de reflexão – o festival “Caminhos do Cinema Português” pretende ser um mostruário deste perpétuo dilema, que se revela tanto na cinematografia lusa como nas de outras origens e latitudes. Por isso mesmo, a Seleção Ensaios elege uma gama de trabalhos que são, em muitos casos, primeiras obras oriundas de escolas de cinema de todo o mundo e antecipadoras de longas e reconhecidas carreiras. Assim, e tal como nos dias anteriores, as sessões no Miniauditório Salgado Zenha foram um palco de exposição dessas experiências fílmicas pioneiras. Ontem, na Seleção em questão, foi possível assistir, às 16.30h, a filmes como The Visitor, de Ali Baharlou, ou Let Me In, de Max Dawiczewski, e na sessão das 18.00h a Danke, de António Sequeira (que foi representado pelos seus pais, Carlos e Albina Sequeira), ou a We Are Desperate, de Joana Maria Sousa, todos ele precursores de novos e interessantes caminhos da cinematografia portuguesa, mas não só.

saber mais

IMG_8751.jpg

Crónica do Festival – III

No terceiro dia do Festival “Caminhos do Cinema Português” teve lugar, no Miniauditório Salgado Zenha às 14.30h, a primeira sessão do ciclo “No Trilho dos Naturalistas”, uma iniciativa cujo objetivo é transportar o espetador, através do cinema, para territórios ao mesmo tempo próximos e longínquos, como os dos países africanos de língua portuguesa, instalando a ênfase no contacto do humano com a natureza e na forma como esta pode ser lida por ele. Ontem foi a vez de Angola, de João Nicolau, e teremos a possibilidade de assistir a mais três sessões deste ciclo nos próximos dias (até sábado).

saber mais

caracol-13.png

Caminhos em Cartaz

Nesta vigésima terceira edição do festival Caminhos do Cinema Português irá acontecer pela primeira vez num festival nacional a promoção, premiação e concurso de critérios de comunicação, tais como a criação de posters, postais entre outras formas de divulgação de obras cinematográficas.

Assim, durante toda a extensão do festival, o público poderá encontrar no foyer do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) em exposição os cartazes dos vários filmes em exibição no próprio festival. Desta forma estará facilitada a apreciação pelo nosso painel de jurados deste ano como dos próprios espectadores.

saber mais

Poster-IAA_01.jpg

Caminhos Mundiais

Os Caminhos Mundias são uma secção não competitiva dos Caminhos do Cinema Português, que integram curtas e longas metragens, filmes experimentais e documentários. Trata-se de uma introdução à cinematografia mundial aos diferentes públicos. Nesta 23ª edição dodos Caminhos do Cinema Português os temas são a importância da família na nossa vida e a vida no estrangeiro. Somos fruto das experiências que vivemos, sendo aquelas que passamos em família das mais importantes, podendo alterar a forma como percepcionamos o mundo. É essencial mostrar os sacrifícios que se fazem pela família e o quanto isso pode modificar uma vida.

saber mais

DSC6007.jpg

Crónica do Festival – II

“Só posso dizer que não há palavras para descrever a atividade e a felicidade no rosto das centenas de crianças que enchem as sessões. Há de facto coisas na vida que não têm preço e esta é sem dúvida uma delas.” Foi com estas palavras que Viviana Andrade descreveu a primeira sessão dos “Caminhos Juniores”, que é uma das atividades que coordena e que inaugurou, às 10.00h na sala principal do TAGV, o segundo dia do Festival “Caminhos do Cinema Português”. O caminho faz-se caminhando, e a melhor forma de começar o dia é pelo início, ou seja, pela formação de novos públicos para o cinema português.

saber mais