Jurados 24.ª edição

Nesta página poderá conhecer de antemão o perfil dos vários jurados da 24.ª edição.

  • Diogo Amaral

    Diogo AmaralAtor

    Diogo Amaral é um dos mais promissores actores da sua geração. Iniciou a sua carreira em 2001, com a novela “Sonhos Traídos”, da TVI, à qual se seguiu o papel de protagonista em “Morangos com Açúcar”, em 2003. Desde então já integrou o elenco de inúmeros projectos como Fascínios, Equador, Espirito Indomável, Jardins Proibidos ou Belmonte, nomeado para Melhor Telenovela nos Emmy Internacionais. Actualmente é um dos protagonistas de "Vidas Opostas", na SIC. Em 2016 regressou aos ecrãs do cinema com "Perdidos" de Sérgio Graciano e, já em 2018, dá vida a D. Pedro de Portugal na longa-metragem de António Ferreira, "Pedro e Inês" - possivelmente, o papel mais desafiante da sua carreira.

  • Vasco Câmara

    Vasco CâmaraJornalista

    Vasco Câmara é desde 2007 editor do suplemento cultural Ípsilon do jornal PÚBLICO, integrando a equipa de críticos de cinema do jornal, de que é enviado especial nos Festivais de Cannes e de Veneza. Autor do texto “O Cinema Acossado”, que abriu o catálogo “Cinema Português Anos 90” dedicado à retrospectiva organizada no Rio de Janeiro, Brasil, entre 1 e 13 de Novembro de 1994 Autor de “O Homem da Câmara de Filmar”, texto incluído na monografia dedicada ao documentarista norte-americano Ross McElwee no âmbito do ciclo organizado pelo DocLisboa 2005. Leccionou Jornalismo Cultural no Mestrado de Jornalismo da Universidade Nova de Lisboa.

  • Isabel Ruth

    Isabel RuthActriz

    Isabel Ruth foi para Lisboa aos 12 anos, onde começou a estudar ballet. Em 1958, partiu para Londres onde frequentou a Royal Ballet School. De regresso a Portugal, ingressou no Grupo Experimental de Ballet (mais tarde Ballet Gulbenkian). Ingressou no teatro por volta de 1970, depois de se estrear em O Marinheiro, de Fernando Pessoa, dirigida por Fernando Amado. Trabalhou depois com Ribeirinho, José Wallenstein, Fernando Heitor, Diogo Dória, Jorge Listopad, entre outros. No âmbito internacional, uma curta-metragem com Pascal Aubier em França foi o ponto de partida para trabalhar com vários realizadores europeus. Instalou-se em Itália, em 1967, onde se tornou amiga de Pier Paolo Pasolini e de Bernardo Bertolucci, participando em diversas curtas metragens. Foi dirigida por Pasolini, protagonizou duas longas-metragens (uma, Il Retorno, realizada por Leonello Massobrio, outra, H2S de Roberto Faenza). Depois de uma longa viagem ao Oriente, viveu em Espanha e, em 1973, regressou a Portugal. Só em 1979 reapareceu no teatro (em Éden Cinema de Marguerite Duras, encenado por Fernando Heitor) e no cinema encarnou a rainha D. Teresa no filme O Bobo (José Álvaro Morais). Considerada uma das maiores atrizes do cinema português, é presença fetiche na cinematografia de Paulo Rocha e trabalhou regularmente com Manoel de Oliveira, tendo sido ainda dirigida por João Botelho, José Álvaro Morais, Jorge Silva Melo, Lauro António, Jorge Cramez, Eduardo e Ann Guedes, Manuel Mozos, Raúl Ruiz, Margarida Gil, Fernando Lopes, Teresa Villaverde, Pedro Costa, Raquel Freire, Cláudia Tomaz e Catarina Ruivo. Em 1995, no Festival de Cinema em Moscovo "Faces of Love", é eleita a melhor atriz pelo seu desempenho no filme Pax, de Eduardo Guedes (1994). Voltou a filmar em Itália com Tonino de Bernardi. No final de 1999, a Cinemateca Portuguesa faz-lhe uma homenagem e João Bénard da Costa dedica-lhe o livro A dupla vida de Isabel Ruth. Em 2007, recebeu o Globo de Ouro como Melhor Atriz, pela sua interpretação em Vanitas, de Paulo Rocha (2005). A 27 de março de 2018, foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.

  • Nuno Gonçalves

    Nuno GonçalvesCinemundo

    Nuno Gonçalves é licenciado em Ciências Históricas pela Universidade Lusíada de Lisboa. Iniciou o percurso profissional numa empresa multinacional, da área do grande consumo em Madrid, Amesterdão, Colónia, e mais tarde em Portugal. Foi Diretor de Marketing da Edivideo (representante dos catálogos das Majors americanas Paramount, Universal, Dreamworks e 20th Century Fox). Posteriormente foi Director Comercial de Distribuição e Exibição da Filmes Castello Lopes, representante à época dos catálogos da 20th Century Fox e Miramax na distribuição para cinema. A partir de 1999 integra os quadros da Lusomundo, inicialmente como Director de Marketing e posteriormente como Director Comercial, tendo mais tarde sido nomeado Director Geral. Com a compra da Lusomundo pela PT Portugal e com o posterior split para a ZON, é nomeado Administrador Executivo da ZON Lusomundo Audiovisuais. Desde janeiro de 2015 é partner da Cinemundo.

  • Marco Martins

    Marco MartinsRealizador

    Marco Martins (1972) estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema, tendo depois completado a sua formação nos Estados Unidos, em escrita de argumento, na Tisch School of Arts. Em 1999 co-fundou a Ministério dos Filmes, produtora de publicidade distinguida com vários prémios e menções nacionais e internacionais e com quem se estreia na produção de ficção para televisão com SARA, uma série de oito episódios com estreia marcada para Outubro de 2018, na RTP2. Os dois primeiros episódios desta série foram exibidos, pela primeira vez, no festival IndieLisboa 2018. O trabalho de Marco Martins abrange diversas áreas incluindo cinema, artes plásticas e teatro. Os seus filmes têm sido apresentados nos principais Festivais Internacionais, tendo ganho em 2005 a Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes (Prix Regard Jeune) com “Alice”. Foi premiado também em festivais como Mar del Plata, Rotterdam ou London Raindance Film Festival, entre outras distinções como o Fassbinder Award (European Discovery of the Year). Em 2006 realizou a curta-metragem “Um ano mais longo”, escrita em parceria com Tonino Guerra, presente na Competição Oficial do Festival de Veneza. “São Jorge”, o seu filme mais recente, esteve em competição no Festival de Veneza, onde o actor Nuno Lopes ganhou o Leão de Ouro (Horizons Award) tendo depois estreado comercialmente em vários países. Foi, tal como “Alice”, pré-seleccionado para concorrer ao Óscar de melhor filme estrangeiro, e ainda para o Prémio Goya. Em Portugal, “São Jorge” foi galardoado com vários prémios da Sociedade Portuguesa de Autores, incluindo o de Melhor Filme Português de 2017 e recebeu sete prémios Sophia da Academia Portuguesa de Cinema. No campo das artes plásticas colaborou com vários artistas, destacando-se a vídeo-instalação multicanal “Twenty One - The Day the World Didn’t End”, co-realizada com o artista italiano Michelangelo Pistolletto e exibida no Museu do Louvre, integrando a retospectiva Year One - Earthly Paradise, e também o filme “Insert”, co-realizado com a artista portuguesa Filipa César, trabalho que venceu o Prémio BES Arte e Finança e o prémio de Melhor Realizador no Festival IndieLisboa (2011). No Teatro fundou, em 2007, com Beatriz Batarda, a companhia Arena Ensemble que, desde então, tem apresentado espetáculos de forma regular nos principais teatros nacionais. A sua obra para palco divide-se entre o trabalho clássico de texto com uma forte componente coreográfica e projectos comunitários, como é o caso do seu último projecto, “Provisional Figures Great Yarmouth”, estreado recentemente no Festival de Norwich & Norfolk.

  • José Cid

    José CidMúsico

    José Cid (1942) é um cantor, compositor, instrumentista e produtor musical português. Iniciou a sua carreira aos 14 anos de idade ao integrar o grupo “Os Babies”, criado em 1955. Foi aos 17 anos que se estrou no mundo da composição, criando a música “Andorinha”, com fortes influências de jazz. Terminado o secundário no Colégio Portugal, em 1960, ingressou no ensino superior na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Abandonou o curso cinco anos mais tarde, sem conseguir terminar o primeiro ano. Contudo, o tempo que lá passou não foi em vão, tendo integrado três grupos: “Conjunto Orfeão”, “Trio los Dos” e “Os Claves”. Após uma audição, José Cid foi convidado a juntar-se ao grupo, que viria mais tarde a chamar-se “Quarteto 1111”, e foi como vocalista e teclista deste que se destacou no panorama musical. O cantor foi um concorrente assíduo do Festival da Canção, tendo a sua primeira interpretação acontecido com a música “Balada de D. Inês”, em 1968, juntamente com o “Quarteto 1111”. Mais tarde, em maio de 71, editou o seu primeiro álbum solo, ao qual deu o seu nome próprio, e lançou a EP “Lisboa Perto e Longe”. Depois das várias músicas levadas ao Festival da Canção, venceu com “Um Grande, Grande Amor” e qualificou-se em sétimo lugar no Festival Europeu. Posteriormente, regressou com o tema “Morrer de amor por ti”, ficando em segundo lugar. Em 1988, conquistou o primeiro lugar numa edição especial, com a composição “Se eu te pudesse abraçar”, apresentada por José Gonçalo. Nesse ano lançou também o disco “Oda a Frederico Garcia Lorca”, que reúne as guitarras de Coimbra e a poesia de Lorca. Para além do Festival da Canção, colaborou noutros projetos associados à RTP como a “Música Portuguesa” e “O Natal com José Cid”. Participou, ainda, no disco solidário “Abraço a Moçambique”. Em 2009 lançou o álbum “Coisas do Amor e do Mar”, que inclui o tema, distinguido com um Emmy Award, “Mais um dia”. José Cid foi ainda galardoado, nesse mesmo ano, com o prémio de consagração de carreira pela Sociedade Portuguesa de Autores, tornando-se o primeiro artista musical a recebê-lo. Não só a nível nacional foi conhecido e reconhecido. O cantor participou, dois anos seguidos, no World Popular Song Festival em Tóquio; foi premiado no Festival Yamaha; estreou o Festival OTI, em Madrid E foi reconhecido pela Billboard com o álbum “10 000 anos entre Vénus e Marte”; gravou em Cannes e Los Angeles e obteve sucesso nos mercados australiano e sul-africano. Lançou o seu último álbum, até ao momento, em 2015, intitulado “Menino Prodígio”.

  • Tiago Cerveira

    Tiago CerveiraRealizador / Fotógrafo

    Tiago Cerveira é licenciado em Comunicação Social. Foi jornalista mas a paixão pelo documentário independente foi mais forte. Actualmente documenta, através da fotografia e vídeo, o património imaterial e material da Serra da Estrela e Beira Serra portuguesa. A dicotomia que dá o nome ao projeto do fotógrafo e realizador - O Meio e a Gente - está intrinsecamente ligada aos aspetos e características identitárias desta região do país. Realizou vários documentários antropológicos sobre a vida rural, exibidos e premiados em festivais de cinema. Enquanto fotógrafo já fez várias exposições individuais e colectivas. Conta com várias publicações em vários orgãos de comunicação nacionais e internacionais. Após o grande incêndio do passado dia 15 de Outubro 2017 tem focado o seu trabalho no pós-fogo onde se destaca com a websérie documental "15 memórias do fogo", exibida na TVI24.

  • Catarina Alves Costa

    Catarina Alves CostaRealizadora / Investigadora

    Catarina Alves Costa é realizadora e antropóloga. Realizou, entre outros filmes, Senhora Aparecida (1994), Swagatam (1998) Mais Alma (2000), O Arquitecto e a Cidade Velha(2004), Nacional 206 (2009) Falamos de António Campos (2010) Pedra e Cal (2016). Estudou Antropologia Social, fez o Mestrado em Antropologia Visual no Granada Centre for Visual Anthropology da Universidade de Manchester, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e o Doutoramento na Universidade Nova de Lisboa com a tese Camponeses do Cinema. Representações da Cultura Popular no Cinema Português. Em 2000 fundou, com Catarina Mourão, a produtora Laranja Azul onde produziu filmes de Daniel Blaufuks, Sílvia Firmino e João Ribeiro, entre outros. É Professora Auxiliar da Universidade Nova de Lisboa e Coordenadora do Mestrado em Antropologia – Culturas Visuais. Coordena o NAVA (Núcleo de Antropologia Visual e da Arte), Linha temática do Centro em Rede em Antropologia / CRIA. Ensina também nos mestrados e doutoramentos da Universidade de São Paulo, no Brasil, e na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Barcelona, assim como no Lisbon Docs, Fórum para a Produção de Documentários.

  • João Rui Guerra da Mata

    João Rui Guerra da MataRealizador / Director de Arte

    João Rui Guerra da Mata nasceu em Lourenço Marques, Moçambique. Passou os seus anos formativos em Macau, na China, então uma colónia portuguesa. Estudou e trabalhou em Design Gráfico e Tipografia em Lisboa, onde reside actualmente. Trabalha em cinema desde 1995 como art director, production designer, actor, assistente de realização, argumentista e realizador. Em 2003 foi convidado pela Escola Superior de Teatro e Cinema a desenhar o programa da disciplina de Art Direction/Production Design, até aí inexistente. Foi professor da referida disciplina de 2004 a 2011. Em 2012 realizou a sua primeira curta-metragem a solo, O QUE ARDE CURA, premiada na competição do Festival Internacional de Cinema de Locarno. Apresentada em vários festivais de cinema, integrou uma projecção especial do Festival Internacional de Turim sobre “A voz humana” de Jean Cocteau, sendo exibida juntamente com "Una Voce Umana" (1948) de Roberto Rossellini com Anna Magnani e "The Human Voice" (1966) de Ted Kotcheff's com Ingrid Bergman. Co-realizou várias curtas e a longa A ÚLTIMA VEZ QUE VI MACAU (2012) com o seu companheiro e colaborador artístico habitual, João Pedro Rodrigues, sendo IEC LONG (2014) a curta mais recente da dupla, fazendo parte de um corpo de trabalho a que gostam de chamar os seus “filmes asiáticos”. Também trabalhou como argumentista em várias longas e curtas, sendo a última, O ORNITÓLOGO (2016), realizada por Rodrigues. Em 2016, o Centro Pompidou de Paris dedicou-lhe uma Retrospectiva Completa e Instalação (25/11/2016-2/01/2017), em conjunto com Rodrigues. Outras retrospectivas internacionais incluem duas retrospectivas itinerantes no Japão - Athénée Français em Tóquio, Yokohama, Yamaguchi Centre for Arts and Media, Quioto, Osaka - IndieTokyo, 2013/2015; The Road to Macao - The Floating Worlds of João Pedro Rodrigues and João Rui Guerra da MataHarvard Film Archive, (2015); Taipei International Film Festival (2015); Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro (2017); Around “The Ornithologist”, Harvard Film Archive (2017); FilmMadrid (2017). Em 2016, SAN MA LO 270, MACAU, projecto para a sua nova longa-metragem asiática que desenvolve actualmente, foi premiado no Crouching Tigers Project Lab do 1º International Film Festival & Awards - Macau. Os seus filmes fazem parte das colecções de várias cinematecas e museus, destacando-se a colecção permanente do Museum of Modern Art (MoMA).

  • Luís Ismael

    Luís IsmaelRealizador / Produtor

    Luís Ismael, cujo verdadeiro nome é Luís Miguel da Rocha Ferreira, é um cineasta, argumentista e ator português. Confessa que começou a interessar-se por fazer cinema aos 17 anos de idade. Luís nasceu em Valongo, no Porto, a 20 de novembro de 1971. É particularmente conhecido pelo seu trabalho na trilogia “Balas e Bolinhos”, cujo primeiro filme estreou em 2001 e o último, mais recentemente, em 2012. Luís Ismael dirigiu, escreveu e inclusivamente participou como personagem nos filmes. O cineasta não se cinge somente aos filmes, em 2009 realizou e argumentou uma curta- metragem intitulada “consequências”. Luís Ismael já participou também noutras atividades paralelas com humoristas, nomeadamente com Fernando Rocha e Óscar Branco. Óscar caracteriza o seu trabalho como “cinema que podemos chamar nosso” (2018). Mais recentemente na sua carreira, Luís Ismael realizou um filme de comédia português em Janeiro de 2018, intitulado de “Bad Investigate”, que estreou em Janeiro do presente ano.

  • Benedita Pereira

    Benedita PereiraAtriz

    Benedita Pereira nasceu e cresceu no Porto e foi lá também que nasceu e cresceu o seu amor pelo teatro e pela representação. Fez teatro desde criança, e chegou mesmo a pisar o palco do Teatro Nacional São João com 13 anos. Fez algumas participações em televisão, ainda em adolescente até que com 17 anos foi escolhida para protagonista de uma série juvenil que viria a ser o fenómeno “Morangos com Açúcar”. A partir daí, a sua carreira em televisão foi lançada e protagonizou outras telenovelas de horário nobre e participou em espetáculos de teatro. Aos 22 anos, muda-se para Nova Iorque para estudar representação no Lee Strasberg Theater and Film Institute. Apaixona-se pela cidade e pelas possibilidades que ela representa. Volta a Portugal em 2009 para protagonizar a série de comédia “Ele é Ela”, que lhe vale o prémio de Melhor Actriz de Série no ano seguinte, mas logo depois regressa a Nova Iorque para ficar alguns anos a estudar com a professora Polina Klimovitskaya e investir numa carreira internacional e diversificada. Fez teatro, aliando-se a diferentes companhias independentes, cinema e publicidade e aproveitava as férias em Portugal para participar em séries/telenovelas como “Salazar”, “Maternidade” e “Mar Salgado”. Em 2013, foi júri do New York Portuguese Short Film Festival. Em 2015, Benedita volta a Portugal para protagonizar “Santa Bárbara” na TVI e é nomeada para Melhor Atriz. Regressa depois aos EUA e participa em 3 filmes independentes em Los Angeles e São Francisco, a comédia dramática “I Hate The Man in My Basement”,  e os suspense/thrillers  “Ascension” e “Lasso”. Seguem-se projectos de teatro em Portugal, primeiro no Teatro do Bairro com “O Homem” de João Telmo, e depois nos Teatros Nacionais do Porto e Lisboa com “Os Últimos Dias da Humanidade” de Karl Kraus. Volta à televisão em 2017 com a comédia “Sim, Chef!” Na RTP1 que teve 2 temporadas. Entre as temporadas participa na série americana “Blacklist” onde contracena com James Spader. Mais recentemente, entrou em 2 episódios da série “Versailles” , filmada em Paris e que passa em 180 países, como Infanta Isabella de Braganza. Este ano também protagonizou o filme “Quero-te Tanto” de Vicente Alves do Ó, com estreia marcada para 2019. Benedita vive entre Lisboa e Nova Iorque/Los Angeles, fala 4 línguas e tem o sonho de trabalhar nos 4 cantos de mundo.

  • Nuno Garcia

    Nuno GarciaColorista

    Nuno Garcia nasceu em Lisboa onde se formou em Realização de cinema, mas tendo começado a estagiar na antiga CEE centro de edição especial, rapidamente se apaixonou pela pós produção. Começa como assistente de Telecinema e durante 2 anos tem a função de auxiliar o colorista senior na colocação dos rolos de película 16mm e 35mm, fazer grading one light para os editores montarem. Passado esse tempo e já como sénior colorista tira vários cursos na Rank Cintel e DaVinci com Stuart Black Jones, Davinci 888 dui, DaVinci 2k e SpiritTelecine na empresa LightFilm. Executando trabalhos para todas as produtoras nacionais e estrangeiras de publicidade, cinema, telefilmes, clipes de musica. Trabalhando directamente com as equipas de edição, composição de imagem e 3D.

  • Konrad Domaszewski

    Konrad DomaszewskiProdutor

    Konrad Domaszewski é licenciado em Direito pela Universidade de Varsóvia e em Estudos Fílmicos pela Universidade Jagiellonian, em Cracóvia. Em 2006, no Orange Factor Film Festival, em Cracóvia, ficou reconhecido pela curta-metragem independente “What The Author Had in Mind”, um projecto com Michal Domaszewski. Foi o assistente de realização do êxito polaco “Ciacho” (realizado por Patryk Vega em 2010). No festival 48 Hours Film Project Warsaw, em 2012, o seu filme “How Many Degrees In A Warm Voice?” foi premiado em 6 distinções, nomeadamente filme do ano. Criou o estúdio de cinema independente Sashimodo Pictures (cuja produção é fundamentalmente curtas-metragens, videoclipes e programas). O objectivo é evoluir continuamente enquanto artista para que não se torne limitado a nenhum género fílmico. Gosta de Cronenberg, Polanski, Scorsese, Jodorowsky e tantos outros realizadores. Em 2014 foi membro do júri no Jameson Cinefest, 11ª edição do Miskolc International Film Festival e em 2017 foi também jurado na 24ª edição do Etiuda & Anima International Film Festival.

  • Tomás Baltazar

    Tomás BaltazarMontador

    Tomás Baltazar possui uma licenciatura em Som e Imagem pela Universidade Católica do Porto, uma pós-graduação em Edição de Cinema e Televisão pela Escola de Cinema e Televisão Septima Ars de Madrid, tendo ainda frequentado o Cumbria Institute of the Arts, em Carlisle, Reino Unido. Estreou a curta metragem “um dia cabouqueiros” no IndieLisboa2015, competição nacional. A sua segunda curta-metragem, “Descalço” (2010) estreou no Festival Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, onde venceu o prémio “Onda Curta RTP2”. Com uma já longa carreira em montagem , montou cerca de 40 filmes desde 2005, entre longas, curtas, documentários e ficção de realizadores como Edgar Pêra, Rodrigo Areias, Miguel Clara Vasconcelos, Raquel Freire, Aya Koretzky, André Gil Mata, João Trabulo, Vincent Lefort,  Sofia Marques, Albano Silva Pereira, Júlio Alves ou Jorge Quintela, João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, Tiago Afonso, António Borges Ferreira, Nathalie Mansoux, Pilar Palomero, Manel Raga Raga. Estes filmes foram exibidos e premiados em festivais como Doclisboa, IndieLisboa , Roterdão, Visons du Réel, Rio de Janeiro, São Paulo, Chicago, Cinesul, Guadalajara, Sevilha, Vila do Conde, Festival Internacional de cinema Curitiba, Fantasporto ou Documenta Madrid, Seul, Berlim.

  • João Cabral

    João CabralActor

    Nasceu em 1961 em S. Miguel. Tem a licenciatura em teatro do Conservatório Nacional de Lisboa (1980-85) e o mestrado em Teatro da ESAD. Em 1982 começou a sua actividade como actor. Em televisão salienta o seu trabalho nas produções “Mau Tempo no Canal”, “A Banqueira do Povo”, “Jornalistas”, “A Mulher do Ministro”, “Jura”. No cinema participou em filmes de João Canijo, Rosa Coutinho Cabral, Fernando Lopes, Jorge António, Fernando Matos Silva, Francisco Manso. No teatro participou em peças encenadas por Mário Feliciano, Rosa Coutinho Cabral, Carlos Avilez, Diogo Dória, José António Pires e São José Lapa entre outros. Dirigiu e encenou o Grupo de Teatro do ISCSP e o grupo Ultimato de Teatro universitário da FPCEUL. Foi professor de Expressão Dramática e do Curso Profissional de Artes Performativas na Escola Secundária Passos Manuel. Fez parte das equipas de dobragens de Teresa Madruga, de Teresa Sobral e de Cláudia Cadima.

  • Marcantonio del Carlo

    Marcantonio del CarloActor

    Marcantonio Del Carlo, 16-11-1965, de nacionalidade italiana, licenciado pela Escola Superior de Teatro e Cinema, autor, ator, encenador e realizador desde 1989 com trabalho reconhecido no teatro, cinema e televisão.

  • Sukayna Najmudin

    Sukayna NajmudinProgramadora

    Sukayna Najmudin é membro no "Cinema for all" desde 2017. Ela juntou-se ao quadro após ter voluntariado durante 5 anos na unidade fílmica da universidade de Sheffield onde se empenhou de alma e coração na comunidade de cinema. Como presidente do comitê da unidade fílmica, trabalhou arduamente com a sua equipa para criar um espaço filmico que fosse inclusivo e enquanto membro ela tem trabalhado com o resto dos colaboradores para incentivar mais jovens para o movimento. Sukayna acredita que o Cinema deve ser algo fácil de se ter acesso porque tem o poder de aproximar pessoas.

  • Ricardo Esteves

    Ricardo EstevesYoutuber & Designer

    Ricardo Esteves é um jovem entertainer, humorista, músico e designer gráfico. Nasceu em Coimbra no ano de 1993, onde estudou Artes Visuais e veio, mais tarde, a iniciar uma promissora carreira como YouTuber em 2012, plataforma onde criou mais de 1300 vídeos para mais de 50 mil seguidores, tendo-se especializado assim na área das artes audiovisuais e na respetiva manipulação digital, edição e composição de imagem, abrangendo fotografia, vídeo, som e design. Fundou um podcast humorístico onde entrevistou figuras conhecidas, escreveu guiões e músicas originais, gravou anúncios, deu concertos, e marcou presenças em escolas e eventos oficiais, programas de televisão, revistas, jornais e rádios. Apaixonado pelo cinema, pela fotografia, pela música e pelas artes multimédia no geral, visa aprofundar cada vez mais o seu leque de conhecimentos e de competências nestas áreas. Atualmente, estuda Comunicação e Design Multimédia na Escola Superior de Educação de Coimbra e trabalha como designer gráfico em freelance.

  • Fátima Lacerda

    Fátima LacerdaJornalista / Programadora

    Fátima Lacerda é carioca, radicada em Berlim desde 1988 e testemunha ocular da queda do Muro. Entre 1998 e 2004 atuou como cantora no projeto “Fátima Lacerda & Band” incluindo uma premiação do Ministério da Cultura do Brasil no edital “Copa da Cultura” em 2006 resultante com apresentações no Sesc de São Paulo. Estudou Letras, Português e Literatura Americana na Universidade Santa Úrsula no Rio de Janeiro, curso básico de Ciências Políticas na Faculdade Livre de Berlim e Estudo de Gestão Cultural e de Mídia, na Faculdade de Música Hanns Eisler com especialização em Patrocínio Cultural e Assessoria de Imprensa. Atuou como Assessora de Imprensa na exposição a céu aberto em Alexanderplatz, “20 Jahre Mauerfall” no contexto do aniversário de 20 anos da queda do Muro de Berlim. Entre 2010 e 2014 atuou como Curadora da Mostra "Perspectiva America Latina" na Oficina das Culturas em Berlim (Werkstatt der Kulturen). É jornalista Free lance para os principais meios de comunicação da imprensa brasileira (O GLOBO, A FOLHA, Estado de São Paulo). Desde 2013 mantém um Blog no portal do "Estadão": "Todos os caminhos levam a Berlim". Desde Abril de 2016 é colaboradora para o portal "Melhor Futebol do Mundo" do Esporte Interativo. É integrante da equipe de redatores do Blog inberlin.de, que consta na lista dos dez mais lidos Blogs da capital alemã com as pautas cinema, gastronomia italiana, música e festivais em geral. Desde Agosto atua como apresentadora e coordenadora da Q & A da Mostra "Cinema na Embaixada" em Berlim.

  • Joana Pais de Brito

    Joana Pais de BritoActriz

    Joana Pais de Brito nasceu em Lisboa, em 1983, e teve a sua formação,como actriz, na escola William Esper Studio, em Nova Iorque, onde concluiu o curso de dois anos.

    Antes iniciar a sua viagem como actriz, Joana foi Terapeuta Ocupacional, e trabalhou dois anos, num serviço de reabilitação psicosocial, do qual guarda gratas memórias. 

    A partir de 2011, torna-se actriz profissional, e desde essa data tem participado nos mais diversos projectos em teatro, televisão e cinema, entre os quais se destacam, o programa “Camada de Nervos” (Canal Q), a curta-metragem “Celeste” e a longa-metragem “A Mãe é que Sabe”.

    Em 2014 ganhou o prémio melhor de melhor actriz, no Shortcutz Lisboa, com a curta-metragem “Chico Malha”, e em 2017, o de melhor actriz secundária com a longa-metragem “A Mãe é que Sabe”, no festival Caminhos do Cinema Português.

    Mais recentemente, fez parte do elenco principal do programa “Donos Disto Tudo” (RTP1), integrou o elenco da longa metragem “A Fábrica de Nada”, e participou nas séries “Madre Paula” (RTP1) e “Os Idiotas” (RTP2).

    Neste momento, está entre Paris e Lisboa, e encontra-se a preparar as personagens das três curtas-metragens, em que participará ainda este ano, respectivamente, dos realizadores José-Maria Norton, Nuno Rocha e Diogo Lopes.  

    Foi com grande entusiasmo que recebeu o convite para integrar o júri do festival Caminhos do Cinema Português, o único que festival do país que celebra, exclusivamente, o Cinema nacional.