Ecra-Convento-Finalfinal-scaled-e1603931555475.jpg

Contingência e Produção

Um festival de Cinema opera na dupla condição de satisfazer a exigência dos espectadores e proporcionar janelas de exibição competitivas e dignificantes à filmografia seleccionada. Não podemos apresentar outros caminhos para a próxima edição do festival que não promovam o contacto estreito, mas seguro, do público com os criadores, nem tão pouco critérios de admissão que não compreendam as novas dinâmicas de distribuição do cinema e audiovisual. A pandemia veio impor as potencialidades digitais sob os nossos hábitos sociais, remediando-os, sem contudo conseguir substituir a aura das experiências in loco. 

Num ano atípico, tentamos olhar tanto aos direitos dos espectadores como às oportunidades e contingências que assolam os produtores e criadores. Dessa forma a organização do festival, de forma resumida, optou pelas seguintes medidas:

  • O festival promoverá as suas actividades entre os dias 9 e 28 de Novembro a 5 de Dezembro.
  • É aberta até 15 de setembro uma segunda chamada de filmes, olhando às alterações regulamentares.
  • São agora permitidos todos os filmes concluídos desde 31 de Julho de 2019, mesmo tendo sido exibidos em televisão, VoD, streaming ou publicados online. 
  • As sessões de cinema decorrerão no Teatro Académico de Gil Vicente, Mini-Auditório Salgado Zenha e outras salas de Cinema da cidade de Coimbra.
  • As sessões dedicadas à infância, 1.º ciclo e pré-escolar, serão agendadas em contacto estreito com os agrupamentos escolares nas suas instalações. Procura-se minimizar os pontos de contacto desta comunidade com membros exteriores às suas rotinas.
  • As sessões dedicadas à população Sénior serão, da mesma forma,  organizadas em contacto as instituições de residência ou centros de dia.

Considerando as condicionantes de saúde pública e a forma como estas nos permitem experienciar a arte cinematográfica, os Caminhos do Cinema Português repensaram o modelo de produção da próxima edição do evento procurando minimizar o fluxo de possíveis contactos entre convidados, organização e públicos, sem que tal se configurasse uma  transição exclusiva para o universo digital. A solução que encontrámos para diminuir o número de contactos diários passou por diminuir a intensidade da programação por dia, para um máximo de duas sessões por dia no mesmo local de exibição, prorrogando a duração do evento.

Na lógica de produção do evento procurar-se-á diminuir as deslocações e presenças desnecessárias, indo ao encontro dos públicos escolares e seniores transformando as suas escolas e residências em salas de cinema improvisadas. A competição será sempre em sala, tanto no Teatro Académico de Gil Vicente, como no Mini-Auditório Salgado Zenha e em outros ecrãs a confirmar, estando, claro, essas sessões abertas ao público e à marcação de grupos, enquanto existirem condições de saúde pública.

O reino digital não está excluído destes caminhos sendo o meio primordial para a realização de todas as palestras, mesas-redondas e conferências a realizar. Em linha com a edição transacta continuaremos a promover a conferência “O Meu Cinema” dando a palavra a intervenientes de relevo da nossa cinematografia, mas é igualmente nossa ambição retomar os painéis temáticos repensado o valor do “Cinema em Tempos de Crise” e a relação dos “Festivais de Cinema e os Novos Autores”. Nessa ambivalência anunciamos o regresso do simpósio “Fusões no Cinema” que se realizará nas cidades de Coimbra e Ponte de Lima, em co-organização com a Universidade Aberta e com o Laboratório Interdisciplinar de Práticas Artísticas da Universidade de Coimbra. Em breve serão anunciadas as linhas gerais e a chamada de trabalhos.

Olhando às premissas actuais em que vivemos a organização anuncia que na actual edição o ponto 4.3 do regulamento do festival será ignorado, sendo admitidos todos os filmes concluídos desde 31 de Julho de 2019, mesmo tendo sido exibidos em televisão ou publicados, por vontade do autor ou produtor, em sítios da internet, serviços de streaming (ex: Netflix, NOS Play, Videoclube Meo), ou editados em DVD ou BluRay. Olhando às novas condições de admissão o prazo de inscrição de filmes é prorrogado até 15 de Setembro de 2020. 

As opções tomadas em virtude da segurança de toda a comunidade têm consequência directa nas datas de realização do festival tomando-se a sua realização em várias fases:

ActividadeDatasNo. SessõesRecinto
Secções Competitivas
Caminhos20 a 27 de Novembro16 SessõesTAGV
Ensaios13 a 19 de Novembro7 SessõesCinema Avenida
Outros Olhares13 a 19 de Novembro7 SessõesCinema Avenida
Secções Paralelas
Juniores9 a 13 de Novembro5~10 SessõesEscolas
Juniores21 e 28 de Novembro1 SessãoTAGV
Seniores9 a 12 de Novembro4 SessõesResidências
Filmes do Mundo30 de Novembro a 7 de Dezembro6 SessõesCinema Avenida
Turno da Noite13 e 14 de Novembro2 SessõesCinema Avenida
Reposições5, 8, 9, 10, 15, 16, 17 de Dezembro7 SessõesCinema Avenida
Intervenção!27 de Novembro a 4 de Dezembro6 SessõesCinema Avenida
Warm-UP!5,7 e 10 de Novembro4 SessõesCinema Avenida
Programa!Ação2 – Antecâmara27 e 29 de Outubro
3, 5 e 6 de Novembro
7 SessõesMini-Auditório
Universidade da Beira Interior
Cinema Avenida
Cinemateca Portuguesa
Cerimónias, Debates e Painéis
Cer. Abertura20 de NovembroOnline
Ent. Prémios27 de NovembroTAGV
O Meu Cinema23, 24 e 25 de NovembroOnline
Painéis16 e 17 de NovembroOnline
Assembleia Geral da FPCC14 de NovembroMini-Auditório e Online
Exposições
Trabalho de Actor/Trabalho de Actriz12 de Novembro a 31 DezembroTAGV
Cartazes do Cinema Português12 de Novembro a 5 DezembroCinema Avenida
Simpósio “Fusões no Cinema”com extensões online
Cinema e Educação20 e 21 NovembroOnline
Cinema e Artes27 e 28 de NovembroOnline & Cinema Avenida, Coimbra

A possibilidade anunciada de uma segunda vaga pandémica em Outubro é por nós encarada com a maior seriedade. Antevendo essa possibilidade, as medidas possíveis de tomar nesse cenário e sem quebrar a cadência de realização do evento é a avaliação dos filmes seleccionados a competição pelas equipas de júri e a exibição dos premiados, quando possível. Essa é a possibilidade deixada em aberto pela Covid19 para distinguirmos e valorizarmos o melhor cinema português produzido neste último ano. Em qualquer um dos cenário de produção do evento serão tomadas todas as medidas de higiene e proteção recomendadas pela Direção Geral de Saúde.

As intenções apresentadas procuram que a XXVI edição vingue, perpetuando a capacidade do festival continuar a reunir toda a produção anual enquanto mostra que há cinema português para todos. É um caminho que se constrói coletivamente promovendo hábitos de consumo da cinematografia nacional num público muito diverso. Os acessos ao festival manter-se-ão nas mesmas condições, promovendo-se um desconto de 50% no Livre-Trânsito até 15 de Outubro de 2020. Não sabemos ao certo o que os ventos de amanhã nos trarão, como Caetano canta em “Alegria, Alegra”, mas sem quaisquer certezas, sabemos que vamos fazer a XXVI edição. 

Caminhando contra o vento
(…)
Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou

Por que não? Por que não?