20141116_-_Prémios__1_de_1.jpg

Revoltas do Ontem e do Hoje


Às 17h30 de hoje começou mais uma sessão do Caminhos do Cinema Português,sob a alçada do tema “Gerações em Revolta”. Esta contou com três curtas-metragens, uma longa metragem e ainda a presença de Marco Amaral, realizador da primeira curta a ser apresentada- “Outono”. Para além desta última, pudemos assistir a “Lápis Azul”, de Rafael Antunes, “Maria”, de Mariana Marques e ainda a longa-metragem “Um Fim do Mundo”, de Pedro Pinho.

“Outono” leva-nos a descobrir o percurso traçado por uma criança, todas as manhãs a caminho da escola, alertando-nos para uma realidade ainda hoje bastante presente nas aldeias do interior, onde cada vez mais escolas fecham, obrigando crianças a percorrerem longos caminhos pelo direito à educação. Marco Amaral refere, em jeito de brincadeira, que os primeiros três dias a trabalhar com crianças são fáceis, mas que a partir do momento em que as crianças se apercebem que precisam delas, são elas que assumem o controlo. Revela ainda que não quis trabalhar com atores e que a criança com quem trabalhou conhecia a realidade que pretendia retratar, pois percorria 2 quilómetros, todos os dias, a caminho da escola.
“Lápis Azul” passa-se na época de 1974, plenos regime Salazarista e vésperas do 25 Abril. Esta curta retrata a história de um coronel, viúvo, que exerce funções para a censura, e que descobre que a sua mulher lia livros proibidos pelo regime. Mariana Marques apresenta-nos “Maria”, uma jovem mulher que após casar com um jovem, mesmo antes de este ir para a guerra, vai descobrir outras facetas que nunca pensou possuir no seu interior. Por fim, a sessão termina com “Um fim de Mundo”, um filme que retrata as vivências de um grupo de jovens, residentes do bairro da Bela Vista, deixando-nos um vislumbre da realidade vivida pelas pessoas que habitam bairros sociais, as suas dificuldades e dinâmicas sociais.

Texto: Cristiana Sousa
Fotografia: Lia Ferreira