• Basil_DaCunha_4.jpg

    “O Fim do Mundo” vence Grande Prémio do Caminhos e “Listen” é o eleito pelo público

    O Fim do Mundo” pode até retratar uma comunidade “esquecida” por Portugal, mas o mais recente trabalho de Basil da Cunha não passou certamente despercebido aos olhos do Júri da Seleção Caminhos. 

    A película do luso-suíço sagrou-se, assim, grande vencedora desta XXVI Edição do Festival Caminhos do Cinema Português. Nas palavras dos próprios jurados, “o tempo, o imaginário e um elenco generoso” convergem no grande ecrã, construindo “um universo emocionalmente duro, mas que acompanha o espectador numa reflexão que se prolonga para lá dos créditos finais”. “O Fim do Mundo” arrecadou ainda o Prémio D. Quijote, atribuído pelo Júri da Federação Internacional de Cineclubes.

    saber mais

  • 28-NOV-7.jpg

    Crónica do Espectador Fantasma (3)

    Cada vez mais, a nossa existência parece decorrer perante uma janela. No presente ano, tal exprime-se pelo enquadramento do nosso quotidiano, seja para apanhar ar puro nos serões domésticos ou interagir com os outros pelas variadas vias internáuticas. Em consonância com esta tendência, o próprio cinema foi-se reinventando perante tal moldura.

    A nível narrativo, tal concordância evidenciou-se sobretudo nos thrillers. Basta ver o caso de “Janela Indiscreta” de Alfred Hitchcock, um conto caucionário de voyeurismo que entretanto serviu de infra-estrutura para muitos dos thrillers cibernéticos de hoje como “Host” de Rob Savage ou “Janela Aberta” de Nacho Vigalondo.

    saber mais

  • 6-1-scaled.jpg

    Crónica do Espectador Fantasma (2)

    Vivemos tempos incertos.

    Uma afirmação anteriormente classificada como dramática, mas que actualmente demonstra-se vulgar e quotidiana, não só no presente ano, mas certamente no futuro próximo. E apesar da ilação criativa da pandemia demonstrar-se promissora no que diz respeitos às lides de inspiração (sobretudo tendo em conta a tendência dos cineastas nacionais em captar imagens sob a lente da docuficção), as previsões da cultura nacional firmam-se actualmente num clima de incertezas que ameaça a exibição dos projectos cinematográficos em sala e o consequente financiamento de projectos posteriores. Acrescem a este cenário reptante diversos episódios controversos, como é o caso da aprovação da proposta de lei 44/XIV no final do mês passado, transpondo a Diretiva (UE) 2018/1808 para a legislação portuguesa de maneira impetuosa e quiçá míope. Em suma, o presente ano demonstra-se como um desafio. E se a natureza incógnita do futuro parece ser o seu único elemento actualmente previsível, 2020 veio incrementar a imprevisibilidade de todas as restantes arestas e agendas.

    saber mais

  • 126073735_3857951067562830_2245615388727156905_o-e1606475110184.jpg

    Crónica do Espectador Fantasma (1)

    Volvido o seu quarto de século de existência celebrado no ano passado, o Festival Caminhos do Cinema Português regressa em 2020 com um novo ímpeto, bem mais destemido a que nos habituou. Seguindo a vertente mais heróica que a maioria dos educadores procura enfatizar nos livros de história, a organização do Festival aposta com um espírito de persistência cultural na confiança e coragem – quer dos espectadores, quer dos cineastas – em ir à sala de cinema nestes tempos incertos, de forma a ecoar o mantra actualmente publicitado nas redes sociais de #aculturaésegura. Mais que um apelo, trata-se de uma afirmação que a projecção audiovisual em sala é recompensadora, nem que seja enquanto refúgio das notícias e sensacionalismos alarmantes dos media. Um escopo que as transmissões internáuticas não possibilitam, por mais tentador que seja o seu aparente conforto publicitado.

    saber mais