Caminhos do Cinema Português

Cinema e Outras Artes

Dia 22 – Quarta-feira
18h TAGV – Foyer
2. Cinema e Outras Artes: Práticas Artísticas

Moderador: Abílio Hernandez Cardoso
Conferencistas: Isabel Nogueira e Luciana Fina


Cinema e Outras Artes: Práticas Artísticas [ou o céu como limite]

Um dia aconteceu. Nos anos sessenta, na sequência dos experimentalismos das chamadas vanguardas históricas das duas primeiras décadas do século XX, e depois ainda das experiências de Marcel Duchamp, toma corpo a designada segunda escola das vanguardas – vanguarda tardia ou neovanguarda. Desenvolve-se principalmente no seguimento da pop art, colocando em evidência não a vontade de revolucionar mas de assumir a possível pulverização da arte, ou seja, o fim da sua jornada unívoca e unidireccionada da “época dos manifestos”. A arte descentralizara-se, fragmenta-se e tornara-se establishment, a qual, apesar de desligada de uma certa utopia, continuaria a revolucionar as gramáticas artísticas.
Passava-se do heroísmo a um anti-heroísmo. A arte era a vida e a vida era a arte. Sem mediação. E é justamente neste pulsar directo e visceral que vão acontecer das mais notáveis manifestações artísticas do século XX, nomeadamente pelo desaparecimento de pudor na mistura de linguagens e suportes – de cariz tradicional e outros, que entretanto surgem, como o vídeo –, ou na utilização do corpo, que marcariam um caminho de não retorno. Felizmente.

Isabel Nogueira

Licenciada em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), Mestre em Teorias da Arte e Doutorada em Belas-Artes, área de especialização em Ciências da Arte (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa).
Entre 2004 e 2006 foi assistente convidada na Licenciatura em Estudos Artísticos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. É curadora de exposições e desenvolve trabalho de investigação/pósdoutoramento no Centre d’Arts Plastiques et Sciences de l’Art/Université Paris 1 Panthéon Sorbonne.
Também trabalha como professora adjunta convidada no Instituto Superior de Educação e Ciências em Lisboa e investigadora do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX/CEIS20/Universidade de Coimbra.

A Arte do Cinema – Migrações do gesto cinematográfico

Que momento da Arte do Cinema é este, em que os cineastas abrem a hipótese de uma mise-en-espace da sua obra, e em que tão numerosos são os artistas que optam pela imagem em movimento, vasculhando na matéria e na memória cinematográfica?
Empenhada em primeira pessoa nas migrações do gesto cinematográfico da sala obscura para o espaço do museu, Luciana Fina abre uma reflexão sobre a reconfiguração do objecto fílmico e uma renovada dialéctica com o campo das artes.

Luciana Fina

Trabalha inicialmente como programadora de cinema, em Itália e Portugal, colaborando principalmente com a Cinemateca Portuguesa, de 1991 a 1998. Em 1998 realiza o seu primeiro documentário. Focando a reflexão na relação do cinema com as outras artes, move  requentemente a sua criação para o campo das artes visuais.
A partir de 2003, tem concentrado o seu trabalho na constituição de uma galeria de retratos fílmicos, tendo regularmente exposto as suas instalações em contexto nacional e internacional.

Moderador
Abílio Hernandez Cardoso

É doutorado em Literatura Inglesa na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e professor de cinema na mesma faculdade. É também Director do Colégio das Artes – uma unidade orgânica da Universidade de Coimbra vocacionada para a arte contemporânea e na ligação desta com a arquitectura, o cinema e artes performativas. Actualmente, lecciona as cadeiras Argumento Cinematográfico e Cinema e Outras Artes no mestrado de Estudos Artísticos.