• logo curso de cinema UAB e1634983413765
  • Site 1150x400 1
  • banner web 01 e1635431606572

 

Notícias

  • Fórum

    E a partir de hoje podem contar com mais um recurso para comunicar e trocar ideias com a organização, com os amantes do cinema e do cinema português em particular, no fundo com toda a gente. Visite o forum, registe-se e deixe-nos os seus comentários, ideias e sujestões.
     
    Podem encontar o link no Menu Principal ou aqui

    saber mais

  • Caminhos Juniores

    A semelhança da edição anterior do festival, este ano vamos também abrir um espaço dedicado aos mais novos. As Escola Primárias e Infantários do concelho de Coimbra e limítrofes foram convidadas a vir aos Caminhos do Cinema Português XIII, em alguns casos a assitir a uma sessão de cinema pela primeira vez. Na edição transacta estiveram connosco cerca de 3500 crianças, número que na presente edição esperamos superar.
    Caso seja educadora e/ou professora e ainda não tenha tido conhecimento desta iniciativa entre em contacto com a organização, teremos o maior prazer em acolher a sua escola/infantário. As sessões para crianças serão no Teatro Académico de Gil Vicente nas seguintes datas 19 a 21 de Abril e 24 a 27 de Abril às10h00.

    saber mais

  • As Datas

    Pois é o festival está com mais dois dias do que o previsto. Assim vamos começar a 19 de Abril com os Caminhos do Cinema Europeu este ano dedicados ao cinema francês. A competição oficial propriamente dita só começará no dia 21 de Abril com a Cerimónia de Abertura e esperamos que no dia 30 de Abril já possamos ter os vencedores da XIII edição do festival no Sessão de Encerramento. Entre os dias 19 de Abril e 1 de Maio não se esqueça para além dos filmes portugueses em competição irá decorrer a II Feira do Livro do Cinema e do Filme Português, os diferentes Workshops, os Caminhos Juniores – Sessões Especiais para Escolas, e o novo Espaço Ensaios Visuais dedicado as escolas de cinema e audiovisuais.

    saber mais

  • 2 – Video Digital – Edição

     
    Descrição:
    Desvendar o processo de captura, edição e pós produção de vídeo. Tenho por base um tema dado a cada uma das equipas (formadas durante o workshop) os participantes irão transcrever o tema dado no inicio do workshop num cartão de visita, em formato vídeo.
    Como Objectivos pretende-se: -Desvendar o Adobe Premiere: Funções básicas de edição; -Explorar mais algumas funcionalidades da câmara de vídeo; -Explorar criativamente as potencialidades do media (vídeo).

    Estrutura:

    Desvendar a interface gráfica do Adobe Premiere, comandos básicos.
    Registo de imagens no exterior.
    Edição criativa das imagens recolhidas.
    Criação de um dvd com os trabalhos de todos os participantes 
     
    Outras Informações:
    Datas – 20 a 23 de Abril 2009 e
    Horário – 9h às 14h
    Limite de Participantes – 20
    Horas de Formação – 20
    Lugar – Edifício AAC
    Frequência Mínima – 70%
    Preço Workshop – Sócios CEC/AAC 40€ Público em Geral 50€
     
    Notas:

    Na frequência de mais do que um workshop beneficie de um desconto de 25% sobre o total
    A frequência dos workshops dá direito a Livre Trânsito para todas as sessões do Festival

    Curriculum Vitae do Formador:
    Miguel Estima

    Nasceu em Caminha em Maio de 1978. Começou por estudar Informática, mas depressa sentiu necessidade de mudar de rumo. Terminou em 2003 a formação em Fotografia e a partir daí tem-se dedicado a novas expressões artísticas, sempre com uma base visual marcante.  Em discurso directo "Desde muito cedo fui um apaixonado pela imagem. Adorava tirar os retratos de família. Nas viagens que os meus pais me proporcionaram gostava de fotografar gentes e locais por onde passava.  Para aprofundar os meus conhecimentos estudei fotografia no Porto. Por me sentir sedento de fazer mais desenvolvi trabalhos no âmbito da vídeo-reportagem para canais Web. Autodidacta inato levou-me a percorrer um percurso mais pessoal onde frequentei vários workshops. Dessas experiências desenvolvi laços de amizade com artistas, produtores, realizadores, directores de festivais, directores de fotografia e encenadores.
    Como realizador desenvolvi um conceito muito experimental e na curta “Babylove” senti necessidade de mostrar um pouco de mim também como performance humorístico. Colaborador da imprensa escrita em reportagem de actividades culturais para o suplemento cultural do Diário de Aveiro.
    Sempre à procura de novas formas de ver, sempre aberto a novas formas de olhar… "

    Filmografia:
    como Realizador:
    – I’m Back (2008)
    – Destinos de Sofia (2008)
    – Babylove (2007)
    – Boom (2005)
    – 180 Graus (2005)
     
    Direcção de Fotografia:
    – Bejat (2008)

    Fotografia:
    – MN 24h (individual), Mercado Negro (Aveiro), Agosto’2006
    – Laranja (individual), G.A. Caminhense (Caminha), Janeiro’2004
    – Mostra de Retratos (colectiva), Bare Nostrum (VN Cerveira), Janeiro’2003

     

     Para mais informações sobre o formador consulte  o seguinte link

    saber mais

  • Problemas Internet Explorer

    Estamos neste momento com alguns pequenos problemas com visualização da página no browser Internet Explorer! Embora aproveitemos para recomendar a adopção do browser Firefox , prometemos ser rápidos na correcção deste erro! Caso detecte mais algum incidente não hesite em contactar-nos.

    saber mais

  • João Francisco CamposOrson Wells disse, um dia, que o cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho. Entre dia 06 e 20 de novembro não há limites nem fronteiras, mas no coração de Coimbra, o sonho do cinema é nosso, é vosso, é do mundo.

    João Francisco Campos
  • Amílcar FalcãoNum período em que a Academia e a sociedade em geral ensaiam, finalmente, o paulatino regresso à normalidade, cabe sublinhar a determinação com que a XXVII edição do Festival Caminhos do Cinema Português optou por retomar a fruição integral das apresentações fílmicas presenciais, com a dinamização de três recintos de exibição, demonstrando assim a forma criativa e programática como soube sair reforçada da experiência pandémica.

    Amílcar Falcão
  • Delfim LeãoDepois de, no ano transato, ter conseguido um assinalável equilíbrio entre a oferta cinematográfica digital e presencial, a XXVII edição do Festival Caminhos do Cinema Português ficará certamente marcada pela dinamização de três recintos de exibição, em locais emblemáticos da Academia e da cidade de Coimbra, concedendo ao cinema uma renovada centralidade.

    Delfim Leão
  • José Manuel Costa

    Sabendo aproveitar e consolidar tudo o que é já hoje a nova realidade da investigação desta história por parte de novas gerações (pela primeira vez com alguma verdadeira hipótese de profissionalização), e sabendo agora aproveitar a imensa oportunidade de divulgação proporcionada pela digitalização em alta definição (algo de que só vimos ainda o princípio, mas que, finalmente, um novo plano global, sistemático, a ocorrer nos próximos quatro anos, colocará na ordem do dia), temos perante nós a possibilidade de empreender uma verdadeira redescoberta coletiva deste cinema, numa escala geográfica e numa multiplicidade de meios nunca atingidos até aqui.

    José Manuel Costa
  • Eduardo Ferro RodriguesÉ sempre de saudar projetos e eventos que resultem da iniciativa local, que rompam com o paradigma e floresçam fora dos centros tradicionais de poder e de cultura.E o festival Caminhos do Cinema Português, que vai já na sua XXVII edição, é bem o exemplo disso. Firmemente implantado na cidade de Coimbra e na sua vida cultural e académica, este festival é,desde há longos anos, uma referência no panorama cinematográfico nacional. É um festival que é de Coimbra, mas também de toda a arte cinematográfica produzida em Portugal, nele convergindo e interagindo, vindos de todas as regiões, os criadores e o seu público.

    Eduardo Ferro Rodrigues
  • Nuno Artur SilvaAo longo das suas edições, o Festival Caminhos do Cinema Português tem conseguido juntar criadores, técnicos e espetadores em diversos espaços de interação, apostando na divulgação do cinema português em todas as suas vertentes, desde o cinema de animação, documentário, curtas e longas-metragens até aos projetos finais das escolas de cinema. A magia da sala de cinema, como núcleo central da partilha de vivências entre as diversas comunidades que constituem o público e a aposta numa programação multidisciplinar, contribuem para uma maior aproximação dos públicos ao cinema nacional e à obra de autores que marcaram o panorama cinematográfico português. (…) Por último, deixo uma palavra de apreço na forma corajosa como todos souberam nortear as dificuldades sentidas no ano de 2020, face às regras ditadas pela pandemia que atingiu o país e o mundo, desejando o maior sucesso para esta edição de 2021.

    Nuno Artur Silva
  • José Manuel SilvaO presidente da Câmara de Coimbra não pode deixar de acarinhar e apoiar ativa e convictamente o Festival Caminhos do Cinema Português, um projeto nascido em 1988 e que constitui o único festival de cinema totalmente dedicado ao cinema português realizado em Portugal, em Coimbra (…). A Câmara municipal empenhar-se-á sempre para colaborar no fortalecimento contínuo daquele que já é um festival de referência e de enorme qualidade, muito em particular considerando a candidatura de Coimbra a Capital Europeia da Cultura 2027, e desafia a população de Coimbra a não perder esta oportunidade única de assistir aos resultados do extraordinário trabalho criativo e artístico de produtores, realizadores, atores e técnicos cinematográficos portugueses.

    José Manuel Silva
  • Luís Chaby VazEm 2021, mesmo depois de um ano difícil para o sector, a organização do festival continuou a desenvolver mais atividades e, em conjunto com o Centro de Estudos Cinematográficos, da Associação Académica de Coimbra, e o Fila K Cineclube, abriu a Casa do Cinema em Coimbra, com o objetivo principal de trazer programação alternativa à cidade, criar mais oportunidades de cultura e devolver à cidade um espaço icónico, as Galerias Avenida.

    Luís Chaby Vaz
  • Fernando Matos OliveiraEm nenhum outro lugar pode o público da cidade e do país conhecer e confrontar, a cada ano, a mais recente cinematografia portuguesa, nos seus diversos formatos e tradições expressivas, desde projetos de formação, passando pela animação, pelo documentário, pela curta e longa-metragem.

    Fernando Matos Oliveira