Screenshot-2019-11-25-16.17.31.png

Apresentação da Comissão de Honra

Coimbra é, uma vez mais, palco do Festival Caminhos do Cinema Português. Celebra-se, este ano, um quarto de século, com 9 dias do melhor cinema português para todos, de 22 a 30 de novembro. Integram a Comissão de Honra desta 25ª edição individualidades de diferentes setores da nossa sociedade, com papéis ativos na promoção da cultura, do cinema, de Coimbra e da Academia.

Deste modo, o Festival tem o alto patrocínio de Sua Excelência O Presidente da República Portuguesa, Professor Marcelo Rebelo de Sousa, e de Sua Excelência O Presidente da Assembleia da República, Dr. Eduardo Ferro Rodrigues, que reforçam a importância do cinema enquanto representação da diversidade e pluralidade do Humano. 

Também o Dr. António Costa, Primeiro Ministro do Governo da República, e a Dra. Graça Fonseca, Ministra da Cultura, demonstraram o seu reconhecimento relativamente ao Festival. Da mesma forma, o mais recente Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Dr. Nuno Artur Silva, elucidou o papel do Caminhos na divulgação do cinema contemporâneo português, tanto através das suas secções competitivas como nos debates que leva a cabo, permitindo a todos o acesso à cultura.

O contributo do Festival na “formação de pensamento crítico e criativo e na afirmação da cultura como valor transversal à sociedade” são as palavras da Direção Regional de Cultura do Centro, na pessoa da Dr. Suzana Menezes

O Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), um dos locais de projeção ao longo dos 9 dias de programação, é representado pelo seu Diretor, Fernando Matos Oliveira. Responsável pelos estreitos laços do TAGV com o Festival, Fernando Oliveira saúda aqueles que diretamente contribuem para mostrar a cinematografia portuguesa nas suas diversas formas.

A manifestação de apoio da Academia de Coimbra é uma constante nas várias edições do Festival, ou não fosse a cidade dos estudantes o palco da sua programação. O Magnífico Reitor da Universidade De Coimbra, Prof. Doutor Amílcar Falcão, e o Vice-Reitor Para a Cultura e Ciência Aberta da Universidade De Coimbra, Prof. Doutor Delfim Leão, elogiam a posição deste na formação de gerações de cinéfilos e no comprometimento com a vitalidade cívica e académica de Coimbra. Também Daniel Azenha, Presidente da Direção Geral da Associação Académica de Coimbra, faz parte da Comissão de Honra.

Ora não fosse o Caminhos um festival de cinema, não poderia faltar o reconhecimento das entidades do Sector como a Federação Portuguesa de Cineclubes que nas palavras do Prof. Dr. António Costa Valente, atribui ao Caminhos a responsabilidade de ter lutado contra o paradigma existente e mostrado que Portugal é cada vez mais um país de cinema, sendo este festival um espaço de confluência das diversas correntes e estilos da nossa cinematografia. Essencial para a realização deste certame é o apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), por Dr. Luís Chaby Vaz, que reconhece na “abrangência da programação do Festival, que inclui secções competitivas e não competitivas, retrospetivas, ações pedagógicas e de formação profissional, promovendo não apenas a exibição, mas também a discussão e a partilha de informação sobre os diversos géneros cinematográficos” a “qualidade de um evento que, dedicado ao cinema nacional, o consegue homenagear”.

  • Vice-Reitor para a Cultura e Ciência Aberta da Universidade de Coimbra

    Vice-Reitor para a Cultura e Ciência Aberta da Universidade de CoimbraProf. Doutor Delfim Leão

    O Festival Caminhos do Cinema Português ganhou, por direito próprio, um posto indelével no panorama cultural português, fidelizando e formando gerações sucessivas de cinéfilos, para as quais tem sabido desbravar — com dedicação e método — renovadas sendas de sensibilidade estética e ética.

  • Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media

    Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e MediaDr. Nuno Artur Silva

    "… desde a sua origem em 1988, [o festival tem lutado] contra o centralismo da oferta cultural, contribuindo para a criação de lugares e eventos de interesse disseminados por todo o território, capazes de criar e atrair novos públicos, promovendo uma Cultura que, assim, está verdadeiramente ao acesso de todos. Sendo um dos mais antigos certames de cinema em Portugal, este Festival tornou-se um agente nuclear de difusão do acervo cinematográfico nacional, seja através da sua exibição, seja através do seu caráter formativo, promovendo um conhecimento reflexivo e informado sobre a história do cinema e a sua interligação com os diferentes movimentos estéticos e culturais, nacionais e internacionais."

  • Director do Teatro Académico de Gil Vicente

    Director do Teatro Académico de Gil VicenteFernando Matos Oliveira

    O Teatro Académico de Gil Vicente tem mantido uma relação estreita e empenhada com o projecto Caminhos do Cinema Português, uma iniciativa do Centro de Estudos Cinematográficos/AAC. O TAGV saúda o regresso auspicioso dos Caminhos, um evento que acolhe desde a primeira hora. Em nenhum outro lugar pode o público da cidade e do país conhecer e confrontar, a cada ano, a mais recente cinematografia portuguesa, nos seus diversos formatos e tradições expressivas, desde projetos de formação, passando pela animação, pelo documentário, pela curta e longa-metragem. Num país marcado pela síndrome do inacabado e por uma vida cultural com dificuldades em manter projetos no tempo, esta edição é prova da perseverança dos seus organizadores, que assim contribuem para tornar pública e visível a força criativa e produtiva do cinema português.

  • Instituto do Cinema e Audiovisual – I.P.

    Instituto do Cinema e Audiovisual – I.P.Dr. Luís Chaby Vaz

    "A abrangência da programação do Festival, que inclui secções competitivas e não competitivas, retrospetivas, ações pedagógicas e de formação profissional, promovendo não apenas a exibição, mas também a discussão e a partilha de informação sobre os diversos géneros cinematográficos, é reveladora da qualidade de um evento que, dedicado ao cinema nacional, o consegue homenagear."

  • Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra

    Magnífico Reitor da Universidade de CoimbraProf. Doutor Amílcar Falcão

    Celebrar a XXV edição do Festival Caminhos do Cinema Português equivale a comemorar a riqueza imensa e o impacto duradoiro de uma iniciativa que constitui não apenas um grande projeto cultural como também uma notável manifestação de vitalidade cívica e académica. Na qualidade de Reitor da UC, saúdo vivamente esta demonstração de vigor cultural e de dedicação à arte.

  • Presidente do Turismo do Centro

    Presidente do Turismo do CentroDr. Pedro Machado

    "É inegável que se trata de um evento de enorme relevância na promoção do destino “Coimbra” e do ”Centro de Portugal”, sendo uma enorme mais-valia no seu posicionamento e na sua valorização. Pelas suas características únicas, percurso consistente e sólido, por ser já uma referência nacional e internacional, assume-se, ano após ano, como uma “oportunidade de ouro”, nesta missão de promoção."

  • Vereadora do Turismo, Juventude, Ação Cultural e Gestão de Espaços Culturais da Câmara Municipal de Coimbra

    Vereadora do Turismo, Juventude, Ação Cultural e Gestão de Espaços Culturais da Câmara Municipal de CoimbraDoutora Carina Gomes

    "... [o festival] acolhe, desde a sua génese, o cinema português nos seus espaços de programação, juntando pessoas e obras, trazendo novos interesses e expectativas, estreitando laços entre artistas e públicos."

  • Federação Portuguesa de Cineclubes

    Federação Portuguesa de CineclubesProf. Doutor António Costa Valente

    "Felizmente que o plural do CAMINHOS nos permite pensar como se complementa nos tantos outros caminhos que o país foi abrindo, descobrindo em obras, em eventos, em aproximação a tantos e diversos públicos, outorgando poder dizer que afinal “Já Se Fabricam Filmes em Portugal” (parafraseando um título de 38 onde na altura Oliveira escreveu “automóveis”). O cinema português vai continuar a crescer com filmes vindos dos ditos mais recônditos lugares de todo o país. Finalmente não há só um sítio onde todos os filmes se fazem. Chegam mesmo de todo país e atravessam múltiplas fronteiras, mesmo quando se barram ecos dos seus percursos–mundos.Do que se exibe ou não, fica em cada CAMINHOS a marca exigentemente plural."