Caminhos do Cinema Português

Cerimónia de Abertura da 23.ª edição

Caminhos TB 04-12

Esta ses­são de índole pro­to­co­lar marca o iní­cio for­mal desta XXIII edi­ção. Nela são rece­bi­das todas as enti­da­des envol­vi­das no Fes­ti­val e são nome­a­das em gesto de agra­de­ci­mento. É tam­bém feita uma pequena apre­sen­ta­ção da pro­gra­ma­ção geral do Fes­ti­val e do grupo de jura­dos das mais diver­sas cate­go­rias. Tam­bém marca a estreia em grande écran da curta metra­gem – A Costureirinha – pro­du­zida no âmbito do 6.º curso de cine­ma­lo­gia pro­mo­vi­dos pela orga­ni­za­ção. Há ainda espaço para a música com a actuação do Grupo de Cordas da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra.

Esta ses­são de índole pro­to­co­lar marca o iní­cio for­mal desta XXIII edi­ção. Nela são rece­bi­das todas as enti­da­des envol­vi­das no Fes­ti­val e são nome­a­das em gesto de agra­de­ci­mento. É tam­bém feita uma pequena apresentação da pro­gra­ma­ção geral do Fes­ti­val e do grupo de jura­dos das mais diver­sas cate­go­rias. Tam­bém marca a estreia em grande écran da curta metra­gem – A Costureirinha – pro­du­zida no âmbito do 6.º curso de cine­ma­lo­gia pro­mo­vi­dos pela orga­ni­za­ção. Durante a produção desta curta-metragem os formandos tiveram a consultadoria especializada de mestres do cinema português como Telmo Martins, João Braz, Jorge Pelicano ou Fernando Vendrell.

Com a apresentação a cargo de Luís Rodrigues e Sandra José, no final haverá ainda espaço para a música com a actuação do Grupo de Cordas da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra.

O Grupo de Cordas foi criado em 1981 dentro da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra quase a par com a sua data de fundação. Prima-se por ser um grupo académico com um papel instrumental na divulgação e perpetuação da música tradicional portuguesa, bem como dos cordofones tradicionais​ ​portugueses.
Apesar do ímpeto inicial, a falta de músicos para assegurar a sua continuidade, forçou o seu hiato, sendo esse interrompido em 1998 pela mão de Amadeu Magalhães, professor de instrumentos tradicionais na Escola de Música da Secção de Fado, que desde então, tem sido acerrimamente o seu diretor artístico. Amadeu conta com um vasto repertório que percorre desde a música tradicional portuguesa a estrangeira, peças eruditas e arranjos instrumentais de vários estilos musicais.
Esta nova etapa agarrou nas raízes ideológicas do Grupo de Cordas, graças a um espírito inovador e vontade de se exceder, realizou até à data centenas de concertos, não só em Portugal, como na Europa e até do outro lado do Atlântico, contando com dois CD’s editados. É também um grupo que se distingue pela excelência musical, não só como um todo mas também pela primazia individual de cada um dos seus constituintes, de tal modo que alguns continuaram intrinsecamente ligados a este mundo, recreativamente bem como profissionalmente.

Após a cerimónia é retomada a competição cinematográfica da Selecção Caminhos com a Exibição dos filmes:

TÍTULO REA­LI­ZA­DOR PRO­DU­TORA DURA­ÇÃO GÉNERO
Água Mole Laura Gon­çal­ves e Ale­xan­dra Rami­res (Xá) 9 Ani­ma­ção
Última Cha­mada Sara Bar­bas Ani­ma­nos­tra 1130 Ani­ma­ção
Ubi Sunt Salomé Lamas 23 Curta Fic­ção
Far­pões Bal­dios Marta Mateus 25 Curta Fic­ção
O Homem de Trás-os-Mon­tes Miguel Moraes Cabral 29 Curta Fic­ção