Caminhos do Cinema Português

Encerramento

Na noite do dia 17 de novembro, o Teatro Académico de Gil Vicente vestiu-se de gala para receber a Cerimonia de Encerramento da XVIII Edição do Festival Caminhos de Cinema Português, onde se consagraram os melhores dos melhores do Cinema Nacional.

Após uma semana de exibição do “melhor que se fez no cinema nacional” e após terem reunido aquela que foi a melhor selecção de filmes a competição dos últimos anos, a organização viu desfilar na passadeira vermelha grandes nomes do cinema Português, e viu ainda ser reconhecida em mais que uma ocasião a importância deste festival.

O cinema nacional rumou a Coimbra e durante mais de uma semana a “Cidade dos Estudantes” foi pela 18ª vez a “Capital do Cinema Português”, pela mão duma organização de e júri que fez um trabalho muito sério, que não esteve a brincar aos filmes.

Raquel Freire, realizadora e representante do júri durante a cerimónia, agradeceu ao “Festival por mostrar o cinema a todos”; realçou a importância de iniciativas como esta, assim como a constante vontade que quem realmente ama o cinema nacional tem em continuar a criar, ao afirmar que é “especialmente em momentos como os de hoje, em que nos é cortado quase tudo, que a nossa expressão enquanto povo, a nossa identidade está naquilo que somos capazes de produzir quer seja em longas ou curtas-metragens, quer seja em documentário oi em animação, essa é a forma de mostrarmos que estamos aqui, que continuamos a produzir e a construir”.

 

“Festivais como os Caminhos do Cinema Português são cada vez mais importantes na divulgação do cinema que se faz cá, numa altura em que o caminho do cinema português de afigura cada vez mais difícil”, foram algumas palavras de reconhecimento deixadas, em forma de sms, por João Nuno Pinto (Prémio Revelação) e que se juntaram às de Ângelo Torres (Prémio Melhor Ator Secundário) que dedicou o seu prémio a “todos aqueles que em Portugal por teimosia e carolice continuam a fazer cinema”.

Apos uma semana de bom cinema português e horas de exibição do melhor que se faz em Portugal, foram entregues 24 prémios (23 conhecidos já desde a véspera da cerimonia) e o último atribuído pelo público ao documentário “José e Pilar”, revelado no final da Cerimónia.

A XVIII Edição do Festival do Caminhos do Cinema Português despediu-se em noite de consagração, não só do cinema nacional, mas também da qualidade e seriedade que 18 anos de Festival comprovam! Continuem a ver bom cinema Português! Até para o ano!